20 novembro 2008

Promoções da TAP e a liberalização

A TAP anunciou uma campanha promocional em que oferece viagens de ida à partida de Lisboa e Porto para a Europa a 59 euros com tudo incluído. Mais uma vez, como se pode ver na imagem abaixo, parece que os Açores não fazem parte da Europa...


A desculpa até pode ser a do costume, como o espaço aéreo não está liberalizado, há certas condições a cumprir, e a verdade é que não se pode mexer nos preços das tarifas para os Açores de qualquer maneira.
Por isso mesmo, são este tipo de promoções que muitas vezes fazem reacender o debate da liberalização das rotas para os Açores, mas não nos devemos deixar levar em conversas que só referem o lado bonito destas tarifas.
Na última revisão das obrigações de serviço público, já foi introduzida a possibilidade das tarifas promocionais para os Açores, o que já se reflectiu na promoção de que falo no último post, cujos valores das tarifas nem andam muito longe dos desta nova campanha. Ainda se deve ter em conta que esta promoção está inserida no novo esquema de tarifas da TAP que as divide em 5 classes, cada uma com diferentes regalias, a que deram o nome de discount, basic, classic, plus e executive. Interessa então saber que todas as promoções entram na classe discount, que impõe sérias restrições ao uso do bilhete e, para se ter uma base de comparação, basta dizer que o serviço que é prestado aos residentes nos Açores equivale à classe plus. Ou seja, para se obter o tipo de serviços a que estamos habituados num ambiente liberalizado, vamos pagar caro. E se é discutível se precisamos mesmo de um jornal gratuito entre outras comodidades, o mesmo já não se pode dizer em relação à flexibilidade nas reservas e aquisições de bilhetes, por exemplo.
Assim, embora seja sempre preciso caminhar no sentido da melhoria do serviço aéreo nos Açores, é bom que não se iludam com manobras publicitárias e promoções que são mais a excepção do que a norma, e as usem como bandeira da liberalização.

2 comentários:

Marcus disse...

Hey, fancy a trip to GB to pick up another load of RC bits?

Pedro Sousa disse...

Não esquecer o que a lei diz: para se publicitar um desconto é obrigatório disponibilizar pelo menos 10% dos lugares para essa campanha. Acontece que geralmente a oferta é precisamente 10% dos lugares.

Num voo com 150 lugares de cabina económica apenas 15 lugares são para esse preço.
Num espaço liberalizado as companhias aproveitam os restantes 135 lugares para compensar a perda da receita com o aumento do valor dos mesmos.
Basta ver que na Madeira a compra do bilhete horas antes da partida pode chegar a ter aumentos de 200 euros face ao normal.

Numa sapataria, os sapatos normalmente custam 80 euros. Em época de saldos diz-se que custam 100 e aplica-se desconto de 10%. Compra-se por 90. O comerciante fica a ganhar 10.

Falo por experiência própria por compra na Air Canada, onde no mesmo dia, o mesmo voo, o mesmo lugar, tem variações de preço consoante a hora da compra (de madrugada pode ser mais barato), ou até mesmo o preenchimento das restantes classes de venda.