26 novembro 2007

Pico mais uma vez sem voos de reforço

Parece que já toda a gente diz que 1 voo semanal para o Pico não serve a ilha, mas a verdade é que o tempo vai passando e as coisas teimam em não mudar.
Mais uma vez, nesta época natalícia, o Pico fica de fora dos voos de reforço. Esta situação é compreensível do ponto de vista estatístico, que é o factor determinante quando se programam este tipo de voos, mas não se percebe porque é que passados já dois anos com ligações directas do Pico a Lisboa no Natal ainda não temos direito a reforços, e ninguém tenha chamado a atenção para isto.
Se bem quem os números não o mostrem, (afinal nunca se fez essa estatística), são muitos os Picarotos a utilizar estes voos de reforço para o Faial, especialmente estudantes, e é pena que ninguém tenha ainda tentado mostrar estes factos ás companhias aéreas. Um voo no sábado no começo das férias e outro no domingo do fim serviria muita gente, e nem chega perto dos 9 voos de reforço que a TAP vai fazer para o Faial entre 15 de Dezembro e 4 de Janeiro. No entanto temos um voo no dia 25 (calha a uma Terça), dia em que a SATA Air Açores nem voa.
Ou seja, sabemos que fazer uma alteração nos horários de uma frota tão grande é complicado, mas no contexto dos voos de reforço pedimos um bocadinho de bom senso para com as gentes do Pico e 2 voos extra que dificilmente andariam vazios, basta ver o exemplo do ano passado em que as férias acabaram na terça dia 1.
Se bem que este ano já devemos ir tarde para uma mudança, fica aqui a chamada de atenção para que no próximo ano possa ser diferente.

11 comentários:

artur xavier disse...

Eu leio esta mensagem e a minha revolta é tanta que nem sei o que dizer. Palavra de honra!
Viveu, durante muitos anos, nas Lajes, um homem simples, humilde, um homem do Povo, chamado Jaime Teixeira. Era conhecido por Jaime da mula e, também, por Menino Jaime, uma besta delicada. O Jaime, para além de outras coisas, gostava de beber o seu copito e de jogar ao "Best". Quando o jogo corria mal, atirava com as cartas para cima da mesa e soltava este desabafo: "PUTA QUE AS PARIU!!!"...

Paulo Pereira disse...

Como é óbvio um aumento da pista da Horta custará os olhos da cara e não terá uma boa relação custo benefício, por isso a ANA não o fará. E se um Governo Regional consciente desejasse aumentar a operacionalidade do A350, de modo a rentabilizar o investimento, optaria por aumentar a pista do Pico, o que não faria mossa no orçamento regional.
Mas considerando que o eleitorado faialense é exigente e o do Pico apático (o PS já elegeu dois deputados e o PSD outros dois, nas futuras legislativas de 2008, vai uma aposta?), optar-se-á por fazer a vontade ao Faial. E pasme-se, se, futuramente, houver a necessidade de aumentar a pista do Pico, o Faial será o primeiro a opor-se, com o argumento da rentabilidade, ou seja da existência de uma pista deste tipo, entretanto construída, que necessita de ser viabilizada.
Exactamente tudo ao contrário do que mandaria o bom senso. E exactamente tudo a favor do que manda o ABC da política de vistas curtas, a que nos têm habituado.
Perante uma solução tão politizada, só pode haver uma resposta de sentido contrário deveras imaginativa, fora do leque partidário, uma vez que os partidos instituídos (PSD, ou CDS) não estão dispostos a perder votos com eleitores de boa memória, os do Faial.
Assim, sem uma população deveras esclarecida, o Pico corre o risco de ser, uma vez mais, ultrapassado pelo Faial.
Gostaria mesmo de estar errado nestas minhas contas de merceeiro...

joao disse...

Temos de nos convencer que se queremos mais voos para o Pico, temos de esperar que tudo esteja em condições (o combustível). E temos de ver as próprias ligações inter-ilhas que são mal feitas. Existe uma grande diferença nas ligações do Pico para o Faial tanto de Inverno já para não falar do verão. No inverno há dias em que nem sequer dá para chegar a S.miguel e ambas tem a mesma população. Muitas satas que saem do Faial tem muitos passageiros do Pico, comprende-se mais ligações porque os passageiros das Flores e do Corvo tem de apanhar ligação para outros destinos. Mas porque é que não intercalam os voos para haver mais poder de escolha por exemplo TER>PIX>HOR>TER.
Ja me aconteceu não ter lugar no avião para o Pico e fui para o Faial apanhar e verifiquei que num avião que fui que dos 24 passageiros so 3 eram do Faial. Isto é uma vergonha????????????????????
Temos de ver que nem as ligações inter-ilhas prestam quanto mais estar a pedir mais ligações de Lisboa!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
E os nossos governantes deste pico a dizer que está tudo bem estamos num bom caminho!!!!!!!!! Vamos viver com calma e paz fechar os olhos.Já para não falar do sinal de proibição que foram por na rua visconde Leite perry num único sentido o que incomoda quem vem do sul da ilha para ir ao médico ou para apanhar avião no Faial. "A vila é mesmo muito movimentada até mais que a cidade de Ponta Delgada!!!!" Ironia do destino, coisas destas só existem nesta Terra.

artur xavier disse...

A propósito de um folheto que está disponível na Agência Abreu, fiz um comentário no "Castelete Sempre". Porque muitos visitantes deste blog poderão não aceder ao Castelete, aqui deixo, também, a informação: Super Açores - Novembro 2007 a Maio 2008 - Ilhas Terceira 235,08 euros; Faial 240,19; S. Miguel 243,19; Santa Maria 265,05; PICO 420,80 (Quatrocentos e vinte euros e oitenta cêntimos); Circuito Açoriano - P. Delgada, Horta e Terceira - 581,80. Neste último "pacote" (Há tantos que mereciam...) é preço por pessoa em quarto duplo 7 dias/6 noites em regime de alojamento e pequeno-almoço; Para os primeiros é preço por pessoa em quarto duplo 3 dias/2noites, no mesmo regime. Eu vejo tudo isto e fico a pensar: Será que eu estou maluco, ou estão me fazendo de maluco!? ...
E o que fazem os operadores turísticos, aí do burgo?
Liberalização? ... Pelo que leio, o CDS-PP (E se calhar, não está só!?) está contra!...
Passem todos muito bem.

Anónimo disse...

Mas existe agencias de viagens no Pico?
Penso que mais de 50% das passagens são compradas via internet
Pudera,com a dinamica que estas agencias tem.

Basalto Negro disse...

Se há subsídios para os clubes desportivos contratarem atletas, um ópio do povo, porque não os há para a RTP-A contratar equipas de jornalistas, de modo a criar programas de informação credíveis nos Açores? É preciso informação séria na TV açoriana. Os jornais têm bons jornalistas, os blogs estão a abarrotar de informação pertinente, só que a maioria da população votante não lê jornais e muito menos blogs. Consome, isso sim, TV. Não seria pertinente melhorar os conhecimentos dos açorianos, de modo a elegerem uma Assembleia Regional mais próxima dos cidadãos. No fundo a aplicação do ditado: Se Maomé não vai à montanha...
Talvez assim, estes problemas começassem a ter solução.

Rui Medeiros disse...

Outro problema com as estatísticas do aeroporto do Pico é o que aconteceu ontem e hoje.
Ontem estavam dois voos marcados para o Pico, estava vento sudoeste forte e cancelaram os dois. Hoje nem há um único voo extraordinário. Porquê? Porque as pessoas aproveitam, e muito bem, o facto de o Faial ser já aqui ao lado para chegarem a casa no mesmo dia.
Mas ninguém parece lembrar-se destes números quando é preciso em prol do aeroporto.
Assim acabamos por não ficar isolados como por exemplo as Flores, para onde os voos extraordinários de hoje foram também já cancelados, mas mal servidos porque estatisticamente não precisamos de mais voos.

ONE-WAY CHANNEL disse...

Já alguém pensou que a distância do Canal entre o Pico e o Faial é a mesma nos dois sentidos? Voo que trouxesse passageiros para a Horta via Pico é coisa de extraterrestres? Até deve ser, porque habituaram-se os faialenses às mordomias, a terem tudo como ex-capital de distrito e agora cairiam na lama se tal acontecesse. Na ilha maior adaptámo-nos à subserviência e achamos mesmo que deve estar escrito nas estrelas que é uma fatalidade para toda a vida atravessar o canal num só sentido para as viagens e para o hospital (para o comércio, penso que já deu o que tinha a dar...) Assim se compreende que não haja protestos das pessoas afectadas, que ninguém queira mudar esta dependência (muito menos o poder político, que quer contentar com Deus e com o Diabo, ora prometendo aqui, para talvez cumprir acolá, dando uma mão cheia de nada, coisas muito vagas para o futuro do transporte aéreo do Pico, praticando muito auto-elogio, não querendo desagradar facções e afrontar grupos de interesses mais poderosos - e rentáveis eleitoralmente que os do Pico)
Pensem um bocadinho porque é que não está resolvido o problema dos combustíveis, uma coisa pouco mais que rudimentar. Mas aqui também este argumento (será da TAP, ou será “encomenda”?) não é um magno problema, pois que (sobretudo no Inverno, há dias em que nem para a Terceira se enche um voo) servir duas escalas de uma penada só, não é tão aberrante assim.

E se as pessoas fossem mais lutadoras e protestassem? Noutras terras por muito menos se sai à rua! Viram alguma manifestação quando o Governo esteve cá?

E se ao reservar viagens também o fizessem sempre em lista de espera nos voos do Pico, mesmo que não servisse a data, como forma de pressão? (oh diabo, se calhar a TAP tem instruções para não o permitir... tal como sugere o destino Horta e não facilita a venda de lugares para os célebres e raros voos extras do Pico). Mas então crie-se (até na Internet) uma caixa de reclamações, inquéritos ou impressos para reclamar, com o respectivo receptáculo, nas agências de viagem ou na Gare Marítima da Madalena. Já estou a ver: O resultado da estatística não pode ser credível e levado em conta pois não será representativo de todos os afectados, porque nem todas as pessoas o farão, ou por desconhecimento ou falta de vontade. Mas há que começar por qualquer lado. Não se arranja uma associação que “trabalhe” para isto? Os estudantes estão apáticos ou quê?

E se exigíssemos mais aos políticos que defendessem os nossos interesses? (Mas eles entenderão que viajar não é vital, claro, vital é, por exemplo, dificultar a vida a quem vem à Madalena, e estabelecer sentido único numa rua por ficar mais estreita 15cm - ou será 16?) devido a postes com decorações de Natal que poderiam facilmente ter sido colocados na superfície dos passeios. Se o ridículo matasse!...

Já começo a pensar em enredos e “complots”, como alguém mais informado já me tem vindo a dizer. Nem daqui a dez anos vamos ter mais voos! A não ser que surjam por imposição de fora, quando o Pico ditar naturalmente a sua dimensão e potencialidades… é que cá dentro há muitos interesses (as mais das vezes, toscos) a contentar…

E também há grandes montanhas (que não a do Pico) a remover…

A minha mulher é do Pico disse...

Cambada de imbecis....

Anónimo disse...

Espetacular!!!
Estou a ver que as gentes do Pico são muito finas! Já querem mais voos para Lisboa do que inter-ilhas! ahahahah
Vocês estão a descredibilizar-se cada vez mais...
Sugiro que arranjem argumentos válios. Talvez aí iremos passar a dar-vos mais atenção.
Afirmem-se primeiro na região!

Anónimo disse...

Boas

Gostava so de deixar os meus 2 centimos. Penso que o problema principal no pico e alguem que nao deixa o pico crescer, alguem que se senta numa sala na camara municipal a obstruir o desenvolvimento da ilha. Pelo que sei, ha pessoas interessadas em construir grandes empreendimentos no pico, mas nao podem, porque e protegido por causa das arvores, pela vinha, pelos animais, pelo patrimonio, por todos os meios que se pode imaginar....Se querem ver mais voos para o Pico, a ilha tem que crescer, mas primeiro algo tem que ser feito para que o crescimento seja possivel. O pico esta a perder muito com toda esta lei da paisagem protegida.