28 maio 2007

ILS no Pico

Depois de já terem começado as operações de movimentações de terras para a instalação do ILS no aeroporto do Pico, sai agora o concurso público internacional para o fornecimento, instalação e calibração de um sistema ILS/DME e dos respectivos sistemas de telessinalização e telecontrolo.
O anúncio foi enviado para publicação a 21 de Maio e no concurso está ainda incluído a reformulação das luzes de aproximação da pista 27, encurtando a distancia entre as luzes de 60 para 30 metros, o treino do pessoal e ainda um sistema de telesinalização e telecontrolo para o aeroporto da Horta, de onde se pode concluir que não se espera para breve que o Pico venha a ter uma verdadeira torre, daí a necessidade do sistema ser monitorizado pela torre da Horta.
Já tinha sido anunciado que o ILS do Pico estaria a funcionar em 2008, e com a publicação deste anúncio não há razões para que tal não aconteça.

2 comentários:

Anónimo disse...

Meu caro, o dinheiro que se vai gastar no ILS se o dessem às forças vivas do PICO para fazerem o bem e o investirem na terra era bem melhor..... Caso não saiba mas mesmo com o ILS instalado ninguem e repito, ninguem, vai atterar no pico em LVO..... o ILS é so um para tentar dar votos..... ai o meu rico dinheirinho.... pelo que sei a NAV (que tem a manutenção das restantes rádio ajudas nos Açores) não tem muita vontade de fazer a deste.....

Jose Ferreira - Pico no coração

Rui Medeiros disse...

Eu penso que antes do ILS há outras coisas que poderiam ter sido feitas, mas também penso que dado as condicionantes do aeroporto do Pico o ILS vem trazer uma vantagem operacional que pode ser decisiva para uma companhia vir ou não a operar cá.
É extremamente necessário? Não, mas também não era qualquer rádio ajuda, podíamos ter um aeroporto estritamente visual. Claro que também podemos dizer que foi uma das exigências da TAP para voar para o Pico existir uma aproximação por instrumentos. E que a que existe baseada no NDB PI é bastante rudimentar e com uns mínimos bastante altos. Embora o maior problema do Pico não seja a visibilidade, continuam a ser cancelados voos por esses motivos. Logo vão existir dias em que o ILS vai permitir aterragens que agora são impossíveis.
Quando um avião cai todos criticam a falta de rádio ajudas, quando se dá um passo na melhoria das condições, que tem os seus custo, só se diz que é demasiado caro. É a mentalidade Portuguesa, existem aeroportos nos países nórdicos onde só operam aviões de 18 lugares como o Dornier 228 equipados com ILS.
O ILS foi encomendado pela SATA Gestão de Aeródromos a mando do Governo Regional, e deduzo que, tal como o PI, fique sobre a responsabilidade dos mesmos. Assim sendo é provável que seja a NAV a fazer a sua manutenção mas sobre contrato, e desse modo estão a ser pagos para fazer um trabalho não têm nada que ter vontade ou não de o fazer.