16 junho 2005

Mínimos

Com estes post sobre o mau tempo acabei por falar nos mínimos, por isso vou tentar deixar aqui uma breve explicação do que são e com funcionam.
Basicamente existem dois tipos de voo, o voo VFR e o voo IFR. No voo VFR (Visual Flight Rules), ou por regras de voo visual, não se tem de preocupar com os mínimos, pois estes são exclusivos das aproximações por instrumentos, que só são utilzadas se se estiver a voar por IFR (Instrument Flight Rules), ou por regras de voo por instrumentos, que existem para premitir os voos em condições meteorológicas em que não seria seguro voar com base em referências visuais. Assim, se não se consegue ver nada lá para fora, as aproximações são feitas com base nos instrumentos de bordo, mas todas elas, excepto uma, tem de ser terminadas já com contacto visual com a pista ou o seu sistema de ajudas luminosas, e é aqui que entram os mínimos. Os mínimos são a altitude mínima a que se pode descer numa aproximação por instrumentos sem se establecer contacto visual com o pista ou com o seu sistema de ajudas luminosas. Esta altitude varia dependendo do tipo de aproximação que se está a voar, do aeroporto e do terreno que o envolve, e ainda da categoria do avião com que se está a fazer a aproximação. Diz-se que a meteorologia está abaixo dos mínimos quando a visibilidade, ou a altura do tecto de nuvens, ou ambas, descem abaixo dos valores mínimos publicados para a aproximação em questão. Só para ficar aqui um exemplo, na aproximação por locator e DME à pista 28 na Horta o tecto de nuvens tem de estar acima de 880 pés e a visibilidade ser de 2400 metros para que um avião de categoria C (A320) possa fazer a aproximação. Num ILS de categoria I o tecto das nuvens pode estar tão baixo com 200 pés acima do nivel da pista, e a visibilidade ser de 700 metros.
Um ILS de categoria III é o único tipo de aproximação existente em que não existem mínimos para a altura das nuvens, sendo que na categoria IIIc a visibilidade pode ser mesmo nula. De referir porém que ILS de categoria III são bastante raros, não existindo hoje em dia nenhum aeroporto com categoria IIIc a funcionar.

1 comentário:

João F1 disse...

Não fazes nenhum!!!!