22 novembro 2010

As "dormidas" na Terceira

Sem querer associar-me a discussões políticas, mas que raio é que se passa com os voos que ficam na Terceira uma noite?
Este ano saiu o horário de inverno sem qualquer permanência nocturna na Terceira, mas quando o mesmo foi anunciado, já se falou em duas estadias semanais, para não mudar em relação ao que se fazia com os ATP’s.
Essas paragens até teriam algum sentido se o último PDL-TER fosse a altas horas da noite e o primeiro TER-PDL logo pelas primeiras horas do dia. Mas na prática verifica-se que o último voo sai de PDL às 18:50 e sai no dia seguinte da Terceira para PDL às 10:30! Existe mesmo um voo anterior a este!
Estas desobrigações políticas só vêm aumentar custos com ajudas de custo e alojamento das tripulações, sem trazer quaisquer benefícios para as populações. Que se decidam de vez, ou deixam um avião na Terceira ou deixam tudo em S. Miguel, destes meios-termos é que ninguém precisa.
Depois há a questão do estudo dos custos que parece que não existe. Ok, não deviam brincar com essas coisas, mas será que é assim tão difícil de ver que com os quadros das tripulações devidamente compostos, basear uma aeronave noutra base implica pagar ajudas de custo e acomodações às existentes ou contratar outras, o que resultaria num excesso de pessoal? Só por aí já temos custos a curto prazo significativos, outros certamente surgirão de uma análise mais aprofundada ao caso.
A verdade é que todos nós gostaríamos de uma maior disponibilidade de frequências nos voos inter-ilhas, mas isso não implica novas bases. É possível que um avião na Terceira até possa prejudicar outras ilhas do grupo central. Se de inverno há apenas um voo por dia para ilhas como o Pico e S. Jorge, ter um avião na Terceira que faça essa ligação, implicaria troca de avião e possíveis esperas para quem queira dessas ilhas voar até S. Miguel. Na prática, esta questão é muito mais complexa do que o simples basear de um avião aqui ou ali. Na minha opinião, as forças da Terceira estão a lutar pelo motivo errado. Que se faça barulho por mais e melhores ligações, não pelo avião em si, até porque esse tiro pode-lhes sair pela culatra.

P.S.: Com os Q400 a voar meio cheios/vazios (caso seja optimista ou pessimista) não vejo como será possível melhorar as ligações inter-ilhas, com a frota como está.

4 comentários:

Marcus disse...

Hey Rui,
Maybe a winter project for you would be to devise the best schedule for the Islands? You already have much of the information and somebody might listen, especially if it's publicised, better *and saves money*.

joao disse...

Este ano não há ligaçoes inter ilhas extra para o Pico muito por culpa da nova capacidade dos aviões e por muitas pessoas continuarem a utilizar o aeroporto do Faial, pelo vistos no site amadeus ainda há muitos lugares pelo Faial. Pelo Pico é impossível chegar na 6.ª, Sábado e Domingo está tudo cheio. Logo quem deixou tudo para a última, terá de ir pelo Faial nestes dias, se quiser chegar a casa nestes dias.

Mal por mal: temos 2 voos extra de Lisboa dia 21 Dezembro (3.ª feira este voo neste dia não tem sentido, antes fosse na 6 feira dia 17)e dia 3 de Janeiro (2.º feira)

Duarte Viveiros disse...

A sua Análise está perfeita, visto desapaixonadamente e de quem vê de fora o assunto.
Parece-me é não haver sensibilidade para o tema economico e so sensibilidade para rivalidades inter-ilhas.

artur xavier disse...

É evidente que alguém que só tenha uma semana de férias (20 a 24 de Dezembro), não espera pelo dia 21 para ir para o Pico. Só se estiver maluco! Claro que procura ir dia 18, mas como para o dia 18 já nem lista de espera existe, só tem uma solução: Ir para o Faial! Isto não é bairrismo, nem rivalidade inter-ilhas. Isto é, meus caros amigos, a realidade. Nua e crua!