29 outubro 2010

Ainda o horário de Inverno

A SATA anunciou a entrada em vigor do horário de Inverno com um press release onde destaca o reforço da capacidade de carga e do número de lugares oferecidos.
Não percebi muito bem se era para ficarmos espantados com esta notícia ou festejar a melhoria do serviço, quando o aumento de que agora se faz notícia é consequência directa da substituição dos ATP’s pelos Q400 e não vem necessariamente melhorar a vida aos Açorianos.
Digo isto porque as frequências matem-se exactamente as mesmas que no ano passado, pelo menos para o Pico, só que no lugar de um avião com 64 lugares, temos um com 80. Uau, um aumento de oferta na ordem dos 25%! E numa época IATA em que os ATP’s já eram grandes e andavam com baixas ocupações! De que nos serve mais lugares se não há procura? De repente, para o ano ainda se queixam das taxas de ocupação a baixar e cortam nas frequências…
Como já aqui disse, para mim, uma verdadeira boa notícia no anúncio dos horários de Inverno, seria o aumento das frequências, mesmo que isso implicasse uma redução na oferta dos lugares. Claro está que com a actual configuração da frota da SATA isto não é praticável.
Mas espero estar enganado e que, pelo menos, se consigam manter as taxas de ocupação do ano passado, mas estou bastante céptico.

23 outubro 2010

Spotting no Pico XIV

Com os voos de S. Jorge a ir para o Pico, o voo da TAP apanhou um Q400 no chão nas últimas duas semanas. Como não é uma coisa que aconteça muitas vezes e pelo menos este inverno não deve voltar a acontecer, pedi ao meu irmão para passar pelo aeroporto, e o resultado foi este:




Obrigado Duarte.

21 outubro 2010

Novas obrigações de serviço público

Já foram publicadas no jornal oficial da união europeia, as novas obrigações de serviço público no que respeita a serviços aéreos regulares, referente às seguintes rotas:

· Lisboa–Ponta Delgada–Lisboa

· Lisboa–Terceira–Lisboa

· Lisboa–Horta–Lisboa

· Funchal–Ponta Delgada–Funchal

· Porto–Ponta Delgada–Porto

· Lisboa–Santa Maria–Lisboa

· Lisboa–Pico–Lisboa

· Porto–Terceira–Porto

A principal alteração introduzida por esta revisão é o desaparecimento da tarifa mínima de 120 euros para as tarifas promocionais. As companhias têm agora mais alguma flexibilidade para a comercialização deste tipo de tarifas, embora continuem obrigadas a oferecer 10% dos lugares disponíveis a uma tarifa no mínimo 30% inferior à de residente ou estudante. No entanto, mantém-se um limite de 86 euros para a média das tarifas promocionais disponibilizadas durante um ano.

Outra alteração, é o aumento do coeficiente médio de ocupação numa rota, necessário para que a companhia seja obrigada a aumentar a oferta, que sobe dos 75% para os 85%. Como os lugares ocupados no âmbito de campanhas promocionais para residentes e estudantes não contam para esse limite, e estas tarifas correspondem a um mínimo de 10% dos lugares, na prática os voos terão de ter uma ocupação mínima de 95% durante uma estação IATA, para que a companhia seja obrigada a aumentar a oferta no ano seguinte. Muito dificilmente se consegue uma ocupação dessa ordem, mesmo em rotas bastante concorridas, pelo que se pode concluir que nos próximos anos não haverá qualquer aumento de frequências.

A manutenção da restrição destas rotas a aviões com capacidade superior a 90 lugares (excepto PDL-FNC) é outro dos aspectos negativos das obrigações, uma vez que elimina desde logo a possibilidade de se utilizarem aviões regionais na ordem dos 70 lugares nas rotas menos densas. A utilização deste tipo de aeronaves poderia rentabilizar essas rotas, potenciando mesmo o aumento de frequências, que por sua vez influenciaria a procura.

As novas regras agora publicadas entram em vigor a meados de Dezembro.
Podem ver a legislação aqui e aqui.

16 outubro 2010

Amanhecer

Enquanto esperava pela saída do TGL, estava o TRF a pedir umas "experiências". Saiu isto:

15 outubro 2010

Despedida do CS-TGL





Foi-se embora hoje às 8:20, rumo à Suécia.

14 outubro 2010

Horário de Inverno Aeroporto do Pico

Com Novembro a aproximar-se, estava na altura de dar uma vista de olhos no que nos reserva este Inverno, em termos de voos para o Pico.
Não há grandes novidades em relação ao ano passado, apenas alguns reajustamentos na hora de alguns voos e, claro, a mudança do ATP para o Q400.
Assim, estamos perante um aumento significativo da oferta de lugares mas mantêm-se as frequências. Um bom serviço seria exactamente o contrário, mas infelizmente não seria de esperar outra coisa com apenas 1 Q200 a operar nos céus Açorianos, não obstante as promessas de mais frequências a quando do anúncio da renovação da frota.

13 outubro 2010

Frequências e a Terceira

Uma das principais razões que levaram à polémica em torno da decisão da SATA em basear todos os seus aviões, que fazem as ligações inter-ilhas Açorianas, no aeroporto João Paulo II, é a premissa de que existiriam mais e melhores ligações, se uma das aeronaves tivesse base na Terceira.
Às vezes questiono o que quererão os Terceirenses dizer com isso, uma vez que outra das armas de arremesso que utilizam nesta luta, prende-se com a suposta realização de voos supérfluos para reposição dos aviões da Terceira para Ponta Delgada e vice versa. Ora se, nessa óptica, existem voos a mais, o que querem dizer com mais e melhores ligações?
Vejo uma possibilidade, podem estar-se a referir aos voos à moda antiga, quando os voos para outras ilhas eram todos via terceira e lá se passavam manhãs e tardes inteiras à espera de ligações. Bom para a economia Terceirense, mau para todos os outros…
A verdade é que a discussão que se gerou em torno desta questão parece estar a distrair toda a gente, com o que se pode ver como uma birra bairrista, enquanto o verdadeiro busílis da questão vai ficando para segundo plano e, mais uma vez, toda a gente se queixa dos horários de inverno que estão para entrar em vigor.
Resumindo, temos a nova frota com os Q200, que supostamente nos vinham melhorar as condições com mais frequências e temos um horário de Inverno que pouco mudou em relação ao ano transacto, que já é alvo de críticas públicas por parte das forças vivas da Graciosa e Flores.
A ida de uma aeronave para a Terceira não traz, por si só, mais e melhores ligações. E é por isso que é preciso lutar.
A meu ver, temos 1 Q400 a mais e 1 Q200 a menos. Só com um Q200 a operar nos Açores não há flexibilidade e disponibilidade para o tão desejado aumento de frequências no Inverno. Chegam a existir rotações inteiras operadas com o Q400 em que o número de passageiros em cada voo não excede a lotação do Q200… E não é base-à-lo, ou não, na Terceira que resolve a questão.
No fim de contas temos os políticos todos entretidos numa discussão que não parece ter fim à vista e que, seja qual for o resultado, não implica melhorias reais no transporte aéreo nos Açores, a menos que se tomem outras medidas complementares que de facto alterem a política de frequência de voos.

P.S.: No meio de tudo isto, convém voltar a mencionar que gerir as 15 rotas de serviço púbico que estão concessionadas à SATA Air Açores, de modo a garantir boas ligações e horários a todos os Açorianos, não é, de forma alguma, uma tarefa simples, não existindo soluções universais.

01 outubro 2010

São Jorge 3 semanas sem voos.

À semelhança do que aconteceu durante as obras de ampliação da pista do aeroporto do Pico, também S. Jorge ficará, temporariamente, sem ligações aéreas com o exterior, mas serão apenas 3 semanas, ao invés dos 3 meses inicialmente previstos.
Entretanto a SATA garantirá o transporte do porto das Velas até ao aeroporto do Pico a todos os passageiros com viagem marcada entre 11 a 30 de Outubro.
Estas soluções de recurso em situações anormais são um bom exemplo das mais valias da proximidade das ilhas do triângulo.
Esperemos que a meteorologia não complique muito a travessia e que não hajam atrasos nas obras.
A nota de imprensa divulgada pela SATA pode ser lida aqui.