27 julho 2010

Mais problemas com o ILS

O ILS para o aeroporto do Pico já dá um filme.
Depois do acidente em S. Jorge muito se discutiu sobre a segurança e operacionalidade dos nossos aeródromos, no entanto sempre se disse que um investimento num ILS não se justificava numa infraestrutura como a do Pico. Entretanto aumentou-se a pista e, para minha surpresa, anuncia-se a instalação de um ILS no Pico.
O que é que mudou? Quem é que o recomendou? Não o sei, mas sei que lá pediram um estudo à NAV que confirmou a possibilidade de se instalar um destes equipamentos no nosso aeroporto.
No entanto foi necessário fazer uma movimentação de terras para que tal instalação fosse possível. Essa movimentação custou cerca de 1,5 milhões de euros. Depois veio a aquisição do próprio sistema, mais 1,1 milhões de euros, só que afinal houve um engano. O ILS adquirido não podia ser montado no espaço terraplanado... O que é que se passou? Fizeram uma movimentação de terras com base nas especificações de um sistema, compraram outro para ser mais barato mas que afinal precisa de mais espaço limpo? Enganaram-se nas dimensões das áreas livres de obstáculos que mandaram limpar? De qualquer formam deviam rolar cabeças, é que este erro vai-nos custar mais 1,9 milhões para a segunda movimentação de terras, para a qual foi aberto concurso público em Junho.
Mas a história ainda não acabou, depois de tanta trapalhada, ainda se dá espaço para que apareçam "listas de erros e omissões do caderno de encargos" que obrigam à suspensão do prazo para apresentação de propostas.
Mas as cabeças continuam em cima dos pescoços, até porque o "Governo já procedeu à aquisição de todo o equipamento necessário, estando o início da obra dependente apenas da resolução de uma questão levantada por um dos concorrentes à adjudicação."

A boa notícia é que eventualmente vamos ter um ILS no Pico. Quer dizer, até já temos, dentro de uns caixotes. E que sina esta dos ILS's e os caixotes em Portugal, os de Faro e Ponta Delgada também têm umas histórias engraçadas.
A má notícia... Bem que se podia ter sido mais arrojado, apostando em aproximações RNAV de última geração que podem ser desenvolvidas sobre diferentes bases, quase todas elas com potencialidades de servir mais do que aeródromo. ...e não sei se mais 3,5 milhões de euros em pista não faziam maior diferença na operacionalidade dos A320 no Pico que 3,5 milhões num ILS que se chegou a anunciar por pouco mais de 1 milhão.

26 julho 2010

Ilha do Pico, I love you but I gotta go... on Twitpic

Ilha do Pico, I love you but I gotta go... on Twitpic

David Fonseca a deixar o Pico... Via Faial...
Anyway, grande concerto! E também eu tenho de ir... :(

11 julho 2010

Obras em S. jorge e voos nocturnos

O Governo esteve à dias em S. Jorge onde visitou as obras de ampliação do seu aeroporto. Nesse contexto voltou a referir os avultados investimentos que têm vindo a ser feitos nas infraestruturas aeroportuárias da região. A verdade é que não se pode negar as melhorias significativas que têm vindo a ser introduzidas nos nossos aeroportos, que só pecam por muitos dos projectos nesta área acabarem por se arrastar mais do que o desejável.
Depois da novela da sinalização luminosa do aeroporto do Pico, estamos agora perante o segundo capítulo com o que se passa com a das Flores. Sobre esse assunto, Carlos César anunciou que já há acordo com a ANA "para o arranque da iluminação da pista das Flores" logo que o INAC dê o seu último parecer sobre a matéria.
Acho estranho que se tenha escolhido a palavra arranque, uma vez que as Flores até já têm luzes instaladas, só espero que não tenha sido um jogo de palavras intencional, para mais tarde deixar lugar a esclarecimentos, como o que foi feito em relação à futura operação no aeroporto de S. Jorge. Já aqui tinha dito, para descontentamento de alguns dos meus comentadores de S. Jorge, que a obra agora em curso não está a ser feita com vista à operação de aviões de grande porte. Embora, aquando do seu lançamento, se tenha dito que este era o primeiro passo para a internacionalização do aeroporto de S. Jorge, o Governo vem agora esclarecer as dúvidas que deixou no ar sobre o assunto, afirmando que as obras não estão a ser feitas para permitir a realização de voos de longo curso. Quer dizer, não foi assim tão claro, os voos para Lisboa não são propriamente de longo curso, mas penso que podemos assumir que esses também não estão nos planos do Governo, uma vez que os objectivos da obra são uma operação mais fiável, segura e com menores penalizações.
Os voos nocturnos são outro objectivo do Governo para o aeroporto de S. Jorge, assim, ficarão de fora das operações nocturnas Graciosa e Corvo, sendo que está previsto que o aeroporto da Graciosa acabe por receber uma intervenção semelhante à que está a acontecer em S. Jorge.
Assim, a Região vai ficar dotada de uma mais valia operacional que permitirá uma melhoria significativa na programação dos voos, falta saber se a SATA a vai aproveitar.

01 julho 2010

Baptismo dos Q400

Os Q400 foram hoje baptizados, em Ponta Delgada, com os nomes Manuel de Arriaga, Teófilo de Braga, Flores e Santa Maria.



O nevoeiro ainda andou a ameaçar estragar a festa outra vez, mas afinal só esteve mesmo mau lá para o fim da tarde.
Ainda por causa do nevoeiro, o Aeroporto do Pico recebeu hoje 2 voos da TAP, o primeiro dos voos extra à Quinta e um divergido do Faial. Penso que foi a primeira vez que tivemos 2 TAP no Pico num dia.