24 abril 2010

... e o avião passa amanhã?


As lenticulares não enganam! E dão-nos uma noção impressionante da influência que o Pico tem no escoamento de ar.

23 abril 2010

Flores sem Q400?

O Q400 ainda não voou para as Flores comercialmente. Este facto está a suscitar alguma inquietação que foi expressa num requerimento enviado à assembleia legislativa pelo PSD.
O requerimento sugere como explicação para esta "interdição" a existência de limitações operacionais devido às dimensões da pista.
Não sei o que está a causar o atraso no início dos voos com o Q400 para as Flores, mas posso garantir que a dimensão da pista não pode ser a culpada, uma vez que o novo avião da SATA tem uma performance muito superior ao ATP que até lhe permite descolar das Flores com o peso máximo estrutural, em determinadas condições atmosféricas. A largura da pista também não é problema, uma vez que o avião está certificado para operar em pistas com 30 metros de largura e, caso seja necessário, pode-se pedir um suplemento que lhe permite operar em pistas ainda mais estreitas.
Assim, a única coisa que me parece passível de estar a causar este problema é a resistência da pista. No AIP a resistência da pista está declarada como PCN 15/F/C/X/T. O ACN do Q400 para pavimentos F/C é 18,3. O ACN deveria ser sempre igual ou inferior ao PCN...
Em termos práticos isto quer dizer que a pista das Flores pode sofrer danos estruturais se o Q400 a utilizar de modo sistemático com pesos próximos do seu MTOW.
Não sei se é este o entrave que tem justificado a não operação dos Q400 nas Flores, mas se assim é, vão ser necessárias obras de repavimentação para que o Q400 possa lá operar regularmente, embora a pequena diferença que está em causa entre o ACN e o PCN não deixe adivinhar uma degradação rápida.
Fico a aguardar a resposta ao requerimento e entretanto vou tentar descobrir o ACN do ATP para comparação, que deverá ser um pouco inferior dado a diferença de mais de 6 toneladas no MTOW.

16 abril 2010

Concurso de fotografia ATP


A SATA está a promover um concurso de fotografia sobre o tema "Os melhores momentos do ATP". As 3 fotos escolhidas ganham uma viagem na SATA Air Açores. Eu já enviei a minha participação, façam o mesmo através do endereço de correio electrónico: concurso.atp@sata.pt

15 abril 2010

BAe ATP

O tempo dos ATP's nos Açores está a chegar ao fim. Ontem fui dar uma volta pelo perímetro do aeroporto de Ponta Delgada para ver umas aterragens com o vento norte que se tem feito sentir por estas ilhas e apanhei o TGN a chegar da Graciosa via Terceira.


Hoje foi a vez do TGY que saiu num voo de teste após trabalhos de phase out. Amanhã, se as cinzas vulcânicas o permitirem, parte para Manchester onde vai ser pintado antes de ser entregue ao novo dono.


Ficam ainda 3 para as fotografias, mas não por muito tempo...

14 abril 2010

Don't click on the wing


Fonte

07 abril 2010

Os cancelamentos da SATA Internacional

Chamaram-me a atenção para o cancelamento do voo da SATA Internacional Lisboa - Horta - Lisboa de ontem, dia 6 de Abril.
Mais uma vez a SATA decidiu cancelar o voo com base nas previsões de nevoeiro. Mais uma vez a SATA Internacional foi a única a não operar no aeroporto da Horta num dia em que o pior METAR até ás 20:00 foi o seguinte: LPHR 061030Z 04010KT 8000 -DZ FEW007 BKN013 BKN025 17/15 Q1016
Resumindo, esteve o dia todo muito acima dos limites em termos de tecto e visibilidade para a operação de um A320.

O TAF, que previa "desgraças", era o seguinte:
LPHR 061400Z 0615/0624 13015KT 5000 BR SCT006 BKN012
TEMPO 0615/0624 1500 DZRA BR BKN003
PROB40
TEMPO 0618/0624 0150 +DZ FG VV000

Só temporariamente se previam condições abaixo dos mínimos para a aterragem. É com isto que se justifica um cancelamento? Ainda com a agravante de, em caso de se confirmar as piores previsões, ser possível regularizar a situação dos passageiros no mesmo dia através da ilha do Pico. É este o nosso serviço público?
Não é a primeira vez que a SATA Internacional cancela o seu voo neste tipo de situação, o que contrasta com a política de operação da TAP, que ainda esta Segunda Feira descolou de Lisboa já com o tempo marginal, bem pior do que alguma vez esteve hoje, acabou por divergir para a Terceira, mas, mais tarde, lá conseguiu ir ao Faial.
É verdade que em alguns dias isto não será possível, gastando-se dinheiro no voo, no posterior alojamento dos passageiros e realização de novo voo, mas será que a condição de serviço público destes voos não exige um tratamento diferente quando a previsão claramente não se está a verificar nos METAR e mesmo assim se cancela um voo destes?

06 abril 2010

Estado da Região no Pico

“O estado da região” em directo do Pico esta quinta-feira

O programa de grande informação da RTP-Açores, “O estado da região”, vai ser transmitido esta quinta-feira em directo da ilha do Pico.

O jornalista Osvaldo Cabral vai ter vários convidados para debaterem aspectos ligados ao desenvolvimento da ilha, sobretudo nos sectores económicos reprodutivos, apostas nos investimentos e ligação às ilhas do triângulo.

Serão convidados no painel principal Daniel Rosa, Presidente da Associação Comercial e Industrial do Pico; Simas Santos, Presidente da Associação de Promoção das Ilhas do Triângulo; Jorge Pereira, Presidente da Associação dos Agricultores do Pico; e Ernesto Ferreira, da Adega Cooperativa.

O programa é aberto ao público, que poderá estar com outros convidados numa plateia criada para o efeito, na Pousada da Juventude, em S. Roque.

A transmissão, que inclui a participação dos telespectadores por telefone, terá início cerca das 21 horas, pelo que as pessoas interessadas em assistir no local deverão comparecer pelas 20 horas.

04 abril 2010

TRE no Pico

Já experimentei o Q400! O teste da Sexta foi de manhã e lá deu para apanhar o voo para o Pico via Terceira ás 15. Devo dizer que vai de encontro ás minhas expectativas, sente-se bem que a performance não tem comparação com o ATP e pareceu-me menos barulhento, especialmente ao relação aos lugares da frente no ATP, embora ainda se sinta alguma vibração que muito dificilmente se conseguiria eliminar num turbo-hélice. Os voos que já eram curtos no ATP, tornaram-se verdadeiros "saltos" de ilha em ilha. No geral gosto deles, pena é que a enorme nacelle acabe por tirar alguma visibilidade nos lugares mais centrais.


Hoje lá tive de voltar a voar no TRE, que ainda apanhei antes de embarcar. Ficava bem no Pico mais uns dias, mas segunda tenho de voltar ao estudo e, na próxima semana, ao aeroporto. Nesse campo as coisas estão a correr bem, mas nada como uma visita ao Pico para me lembrar que ainda falta essa parte para estar completamente satisfeito... Não se pode ter tudo.