29 janeiro 2010

Estado da Região, transporte aéreo.

A RTP Açores emitiu ontem o programa Estado da Região que se debruçou sobre os transportes aéreos para os Açores.
Como seria de esperar o debate centrou-se nos preços que os Açorianos pagam por uma viagem ao continente Português. Mais uma vez fica a ideia que muita gente só fala no preço mais baixo que é praticado por low costs para outros destinos, sem perceber o que está por detrás dessas tarifas e que são sempre referentes a um número de lugares limitado. Sobre isso gostei especialmente do último mail que foi lido, onde se fazia uma comparação interessante: junte-se ao preço do bilhete que se vê nas publicidades para a Madeira (aplicável a outros destinos low cost) os 22 euros que se cobra por cada bagagem de porão mais os 12 euros de embarque prioritário, para ter uma hipótese de escolher o seu lugar, e já estamos a falar de valores equiparáveis às tarifas promocionais para os Açores. Pode-se dizer que estes últimos 12 euros são supérfluos, mas há outros custos extra que não o são. Muito poucos açorianos voam sem bagagem de porão, e não são poucos os que levam mais do que uma, que também terá de ser paga... Ou até imaginem que não reservam bagagem de porão mas, à última da hora, é preciso leva-la, são logo mais 44 euros...
Estes são só alguns exemplos do que esperar dos serviços low cost. Não estou a dizer que são maus, são o que são e os preços estão bem explícitos nos seus sites, mas pelo que tenho visto, o que as pessoas querem é preços de saldo mas com todas as regalias a que estão habituados. Isso simplesmente não é possível.
Resumindo, é caro voar para os Açores, mas as pessoas também não têm a noção dos direitos que lhes são concedidos neste modelo. E penso que ficou claro que ninguém defende a liberalização dos voos para os Açores, quer por se sentir a necessidade de garantir pelo menos parte dessas regalias que tomamos por garantidas, quer por causa da pluralidade dos Açores que impedem que num ambiente liberalizado todos os Açorianos tivessem direito às mesmas tarifas.
Ficou certo também que é necessário mudar o actual modelo para permitir tarifas mais baratas. Neste campo achei interessante uma proposta que foi feita: Separar o transporte de carga do de passageiros.
A ideia em teoria é boa, mas é um bom exemplo de como é difícil conciliar as coisas. Passo a expor o meu ponto de vista, se existissem obrigações de serviço público de passageiros e de carga separadas, é possível que se diminuíssem os custos da operação de passageiros, por via da diminuição da capacidade da carga das aeronaves, possibilitando uma melhor gestão de frota. Essas poupanças poderiam ser então passadas para o preço do bilhete. Mas depois para a carga teria que vir outro avião. E esse voo continuaria a precisar de subsidio para existir. Lá teríamos todos que pagar esses voos, indirectamente, através dos impostos. Será que no fim de contas, fazer 2 voos diferenciados em vez de 1 saía mais barato? Além disso, a carga é um complemento às recitas das SATA e da TAP nas rotas para os Açores, não vejo que estejam dispostas a abdicar do seu transporte. Se estas duas companhias continuassem a escoar carga, será que continuaria a haver uma quantidade mínima para justificar os voos cargueiros?
Penso que por aqui se pode ficar com uma ideia da grande complexidade deste assunto. Todos queremos pagar menos, mas devemos ter a noção das dificuldades que existem nestes voos e perceber que o que temos não é assim tão mau como se vai dizendo por aí. Queremos melhor sim senhor, mas é preciso valorizar o que já temos.

15 comentários:

Anónimo disse...

Quando viajo na EasyJet compro os bilhetes cerca de 4 a 5 meses de antecedencia e compensa gastar 22€ para a mala, comprar o Speedy Boarding a 6 € por viagem e mais o preço do bilhete. Fica mais barato do que qualquer bilhete de uma companhia aerea que não é Low Cost. Claro que se for comprar um bilhete numa low cost para a proxima semana é claro que não compensa, mas é só uma questão de saber planear o nosso tempo para se aproveitar os preços das low cost e aproveitar para conhecer os destinos que elas oferecem que são cada vez mais.

José Melo disse...

Gostei bastante da abordagem. E é bom que as pessoas continuem a protestar, mas protestem pelo melhoramento dos restantes serviços, porque está mais que visto que pagar menos para passar uns dias aos Açores é dar prejuízo às companhias. A aviação em arquipélagos, principalmente com 9 ilhas, dificilmente consegue tirar algum lucro (na maior parte dos casos até há prejuízos), por isso também temos de ver a posição da SATA neste aspecto.

Anónimo disse...

Sou estudante e em certas alturas do ano não posso planear a viagem com 4 a 5 meses de antecedência, por isso as Low Cost passariam a High Cost!
Como exemplo, uma colega minha da Madeira precisou de fazer uma viagem não programada e pagou por ida e volta 500 €!!! E isto foi para a Madeira onde há concorrência, agora imaginem para eu regressar ao Faial o que não teria que pagar por uma viagem não planeada...

Padre... disse...

Em São Jorge vejo com bons olhos as Low Cost, porque vem dar possibilidade de apanhar alguns voos a partirem da terceira.Do Pico também seria bom, porque teriam voos a sair do Faial e Santa Maria de São Miguel.
Todos ficavam a ganhar.

Nuno Melo disse...

Boas. Concordo com o Sr Rui em tudo, mas será viável a questão dos voos cargueiros??
Eu acho que sim... pois também iria melhor serviços no âmbito do "lost & Found", pois pelo menos para a Horta, fica imensa bagagem em Lisboa que só chega cá 1 a 2 dias depois e, muitas vezes bagagem que foi cobrado excesso mas, mesmo assim ficou atrás...
Ás vezes custa às pessoas perceber porque pagaram excesso mas mesmo assim a sua bagagem ficou atrás... Trata-se do seu peso ficar estivado no global da aeronave, mas quando chega a um limite de peso tem de ficar bagagem atrás pois já está estivado muito peso relativo a carga...
Com voos cargueiros, iria resolver questões como estas, e também, se calhar, num só voo cargueiro englobaria carga de alguns voos de passageiros...
Lembro também que estes processos de "lost" custam muito dinheiro às companhias (sata e tap)...
Por isso acho que seria uma estratégia a estudar pelas entidades competentes... e quiçá uma realidade...
Bem haja
Saudações

Anónimo disse...

Este Nuno Melo não o conheço, mas de certeza que não conhece a realidadde das companhais aéreas e dos Açores.
Nunca em tempo algum haverá voos regulares nos Açores e para os Açores, a transportar só carga.

Cumprimentos

Nuno Melo disse...

Olhe... a si... é que ninguém conhece de certeza...

E se calhar percebo muito mais que você sobre os Açores e a sua companhia aérea... é claro que seria (será) difícil de acontecer, mas apenas disse que seria uma ideia, que por sua vez poderia ser estudada... e "quiçá uma realidade"

O Sr anónimo, por sua vez, acho que não percebe muito de leitura...

Cumprimentos ;)

César disse...

Esta ideia de Low Costs nos Açores apenas traria vantagens para a ilha de São Miguel, pois é a rota mais viável nos Açores.
Uma desvantagem:
Supondo que uma viagem em low cost para Lisboa ficaria à volta de 100€(ida e volta) com partida de Ponta Delgada, um habitante das Flores que quisesse ir a Lisboa nesta "Low Cost" teria de desembolsar cerca de 110€ extra apenas para a viagem até Ponta Delgada. No modelo actual de serviço público essa viagem até Lisboa obtém-se a partir dos 155€ (tarifa K).

Helder Duarte disse...

Muito Bom ponto de vista, realmente não tinha pensado em alguns aspectos que aqui foram abordados. Só tenho dúvidas quanto aqueles voos que a SATA faz one way a 35€ para a Madeira. Vou ser sincero, não pesquisei mas é revoltante pelo menos a olho nú ver cartazes com isso pelo metro de Lisboa e ficar a pensar no quanto pago para ir para a minha bela ilha.

Anónimo disse...

Fiz uma pesquisa no site da sata e realmente há voos Lisboa - Funchal a 35€ nos dias 27,28 de Fevereiro e 2,3,4,7,8,9,10,11,14,15,16,17,18 e dia 19 de Março. Depois de 19 de Março não continuem a pesquisar....
Comprimentos.

Anónimo disse...

Sim a campanha da sata de voos a 35€ é verdadeira. Pode-se confirmar no seu próprio site.

Anónimo disse...

Só agora tomei conhecimento do vosso "site". Defendi a não venda da Sata, quando o Secretaria da Economia, era o Sr. Natalino de Viveiros. Como devem saber a Sata é a companhiaaérea portuguesa mais antiga. Mas também sei que viajar na Sata a 147 euros, não é muito caro, só que, apanhar uma viagem a esse preço, tem que ser com um mês de antecedência devido a grande procura. O problema maior é que a Sata não é uma companhia aérea mas um departamento do goerno açoriano...

Bruno Rodrigues disse...

E lá veio o Tio Belmiro deixar o seu apoio às Low Cost. Claro que a pensar no turismo, não foi nos residentes de certeza.

Rui Medeiros disse...

Vão-me desculpar mas entrevista desse senhor é de rir. Talvez vamos ter de reactivar o concorde para as tais ligações rápidas e baratas...

Anónimo disse...

A inveja é tanta...