19 novembro 2009

Inacreditavelmente, outra vez as luzes do Pico!!!

Nem de propósito, dia 2 de Novembro publiquei uma foto de uma descolagem depois do por do sol no Pico, mas parece que afinal essa descolagem foi meio aldrabada. Pois é, hoje o voo do Pico cancelou outra vez por causa do por do sol! Isto é completamente inadmissível. Como é que isto não é brincar connosco? Dizem-me que andamos com a mania da perseguição, que ninguém está a tentar atrasar o desenvolvimento do Pico... E eu quero acreditar que muito do que se diz é exagero, mas o que vai acontecendo só me deixa cada vez mais desconfiado, desde os orçamentos até à novela das luzes do aeroporto do Pico.
Em Dezembro de 2006 já cancelavam voos, porque estava de noite, com as luzes do Pico a funcionar. Nessa altura, a certificação atrasada foi a desculpa.
Em Abril de 2007 as luzes foram certificadas pelo INAC e mais tarde passou a constar no AIP que o Pico está qualificado para operações nocturnas.
Em Dezembro de 2007 cancela-se outra vez um voo por causa do por do sol. Nessa altura dizem que o problema passa por treinos das tripulações e pela publicação de procedimentos internos.
Finalmente, em Março deste ano, a comunicação social dá a notícia esperada: A SATA já pode vir ao Pico de noite! E nós, sem razão para pensar o contrário, acreditámos.
Hoje, o ATP que faria o voo do Pico foi acumulando atrasos ao longo do dia e quando chegou da Graciosa para fazer o voo do Pico já estava a ficar de noite. Lá se descobriu a careca à SATA, não se pode aterrar no Pico de noite, o voo vai para o Faial.
Afinal estavam a gozar connosco. Estava o verão a chegar, os dias eram grandes, não se previa a necessidade de voar para o Pico à noite, já se podia dizer que estava tudo feito que não havia problema! Mas os dias ficaram pequenos outra vez, o que deviam ter feito parece que não o foi, eis que chega o dia que é preciso vir ao Pico de noite e, outra vez, não se pode!!!
Isto não se admite, o Governo vai gastando recursos no aeroporto mas parece que são só para fazer figura no papel. Mais de 2 anos não chegam para se criar seja lá o que for preciso para que a SATA utilize as luzes do Pico? E ainda têm a lata de nos mentir na cara quando se afirmou que estava tudo resolvido.
Quem são os responsáveis? Isto não pode continuar desta forma, tudo o que se faz leva anos a ser decidido, anos a ser construído e outros tantos anos até que comece a ser utilizado. Vamos longe assim...

31 comentários:

LUIS disse...

Pois é Rui somos uns massoquistas!!
É uma vergonha o que se passa no Pico!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Dizem mentiras para ver se acalmam o pessoal e depois isto!!!!!!
E na mesma situação o combustivel no Pico e aquela voo da TAP só para atirar pó para os olhos.
Também os investimentos essencias HOSPITAL a nível de Ilha nem que fosse na Piedade, ou noutro sitio qualquer. Mas quiseram 3 porcarias de centros de "primeiros socorros" por rivalidade e agora estamos a sofrer as consequencias desse bairrismo, ja para nao falar do da Madalena que parece uma coisa de
"3.º Mundo".
E os voos no Natal (18,19,20 DEZ) 6, Sabado Domingo já é impossivel voar para o Pico, alternativa como costume Faial que ainda tem muitos lugares. Pois a Sata, nem voos extra suficientes faz porque já sabe que o pessoal vai pelo Faial e já não se dá ao trabalho de programar mais voos. Mas a culpa também é das pessoas deviam por-se em lista de espera sempre para o Pico, assegurando voo na mesma pelo Faial, mas nem sequer com isso se precocupam.
Quero ver a desculpa que a sata vai dizer desta vez!!!!!!!!!!!

Anónimo disse...

Sinceramente, nao ha nada que se diga, enfim isto e tudo um bandilhagem que anda por ai a brincar aos aeroportos e aos avioes. Vergonhoso e certamente, o comportamento da Sata air "açores" e do governo regional que não tem mão em nada. Combustivel?? nem velo... luzes?? (epa tao la) O que fazem? dão luz.. Utilidade?! Nenhuma..
Ora andei por ai e encontrei um texto muito bonitinho " O aeroporto do Pico foi recentemente ampliado para permitir a operação de aviões de médio curso e está em curso a fase final dos melhoramentos nos seus equipamentos" " A nível topográfico e em caso de futura ampliação para possibilitar voos de longo curso com a América do Norte (charter), o aeroporto do Pico seria o aeroporto ideial para tal, quer em termos de custos, quer em termos de centralidade nas ilhas do triângulo"Aguarda-se a entrada de funcionamento do parque de combustiveis do Pico, pervista para Maio de 2009, que permitirá a ligação directa entre Lisboa e Pico"fonte wikipedia...
Pois... palavras para que? MAIO DE 2009???
Voltando a questão das luzes, bem se pode dizer que elas nao tem utilidade nenhuma, (AINDA SE ILUMINAXEM ALGUMAS CABEÇINHAS...)mas nem para isso servem...
O natal ta chegando, pode ser que o pai natal apanhe o voo de Lisboa para o Pico e nos traga uma prenda, isto de o voo nao for para o lado de lá... abraço

artur xavier disse...

Deparamo-nos com estas situações e ficamos a pensar: O que é feito das "forças vivas" do Pico? Que diabo se passa com esta Gente que, de repente, se tornou amorfa?
Acordem, c'um raio! De uma vez por todas, pois, assim, ficaremos a ver passar os comboios. Irra!
Por outro lado, teremos da fazer um mea culpa. Não deixa de ser verdade que, em parte, o actual estado das coisas se deve ao nosso comportamento. Um pouco mais de bairrismo e de amor por aquilo que é nosso, não faria mal a ninguém. Enfim, continuemos nesta esperança de que melhores dias virão (Ilha do futuro?...). Mas sem esmorecimentos e sem baixar os braços. Estamos, ou não, de acordo?!

José Melo disse...

Bolas, dessa é que não esperava de certeza! Então pelos vistos só faltam os pilotos da Sata fazerem voos de treino nocturno ao Pico, certo? Porque é que não aproveitaram as voltinhas que andavam a fazer com os Q200 e não mataram 2 coelhos com um só tiro?

PR disse...

- Nenhum piloto de linha aérea precisa de fazer qualificação parar operar no Pico à noite. O Pico não é um aeroporto como a Madeira, que só pode ser operado por pilotos qualificados naquele aeroporto. Qualquer piloto de linha aérea (repito) pode aterrar em qualquer aeroporto do mundo (que não obrigue a qualificações especiais) à noite sem treino prévio.
- Os bairrismos têm sido de facto um empecilho ao desenvolvimento equilibrado não só dentro das próprias ilhas como na região, enquanto território autónomo descontinuo. Prova disso é a Petição contra a concentração dos aviões em Ponta Delgada, que é em prol de uma melhor e mais eficaz estratégia de transpotes na Região, um melhor Serviço Público e que no entanto encontra poucos apoiantes nas ilhas. Apenas a Terceira tem apoiado fortemente esta causa, não só pelas assinaturas como pelas manifestações públicas e políticas. Aqui mesmo neste blog, que supostamente é visitado por pessoas interessadas (logo minimamente conhecedoras da tema), existem pessoas que não conseguem ver o evidente, não conseguem ver a razão e verdade incontornável de que a concentração da frota é prejudicial À região!
- A SATA mente... Ah pois mente! Mente e MUITO!!! De forma vergonhosa e sem medo, porque tem um GR igualmente mentiroso a apoiá-la! Como mentiu acerca dos custos acrescidos para ter um avião permanentemente estacionado nas Lajes! Ou como tem mentido acerca da vergonhosa operação no Corvo! Aos poucos a SATA vai dando passos que revelam o erro tremendo que cometeu na escolha do avião que veio substituír o Dornier! Um erro tremendo e impossivel de camuflar! Mas aos poucos a merda está a vir à tona d'água!

E isto para não falar nos já rotineiros problemas técnicos com os "novos" (novos segundo a SATA apenas...) Q 200 que avariam um atrás do outro que a SATA tenta encobrir À força toda!!!

Enfim... É uma palhaçada sem ponta de piada!

FARTO DE PROMESSAS disse...

O José Melo tem razão. 2 em 1: Treinar os pilotos para o avião novo e para as luzes que já todos eles conhecem!

Rui Medeiros disse...

PR, em relação ao seu primeiro ponto, de facto o Pico não é como a Madeira, que exige à partida qualificações extra para lá se operar. Mas isso não quer dizer que as companhias sejam mais exigentes que o AIP. Passo a explicar, as JAR dizem que um piloto tem de estar familiarizado com o ambiente operacional de qualquer aeroporto antes de lá operar. Nesse contexto a Madeira é considerada categoria C pelas operações da TAP, o que obriga a uma grande quantidade de treino e certificações extra para que os seus pilotos possam lá operar. O Pico é considerado categoria B, devido à pista curta, aproximação de não precisão e meteorologia por vezes exigente, o que obriga a treino específico antes de um piloto TAP puder operar no Pico. Não é uma exigência regulamentar, mas está bem justificada pela TAP com o intuito de garantir a segurança da operação. Para se operar em aeroportos categoria A, apenas se exige um breifing prévio ao voo onde se discute toda a informação disponível sobre o aeroporto.
Não sei qual é a posição da SATA em relação ao aeroporto do Pico, uma vez que como operam aeronaves de características diferentes, é possível que não considerem o Pico categoria B como a TAP. No entanto podem simplesmente requerer que os seus standards operacionais reflictam a possibilidade de operar no Pico de noite e isso pode não estar feito.

Defensor nº 1 disse...

Sobre a eterna irresolução de problemas do Pico, este foi o texto que publiquei em www.defenderopico.blogspot.com :
Foi cancelado ontem, de novo, um voo no Pico por razões (incompreensíveis) de não haver certificação, autorização, ou o que seja, para voos depois do pôr-do-sol. Perante este longo fadário, envolto em sombras e más-vontades, como está muito bem explicado no Blogue AirPico do Rui Medeiros, sabedor do que fala, em www.airpico.blogspot.com, era de esperar que viesse à luz de novo a escuridão da pista do Pico. Comprova-se o que muitas vezes tenho afirmado sobre o menosprezo de que o Pico e dos Picoenses estão a ser vitimas pelo poder político, com a agravante de descaradamente saberem de antemão que nos estão a enganar. Desfaçatez só consentida pelo débil (muitas vezes cobarde) poder reivindicativo das forças-fracas do Pico e do seu inexistente peso político, que se tem vergado sempre a interesses exteriores à ilha – ou ao excessivo centralismo de algumas e, sua causa ou efeito, dos líderes políticos - não diligenciando para erguer o Pico ao lugar a que tem direito como a segunda maior ilha dos Açores. Desta forma comprometem ou adiam, assim, o seu desenvolvimento. Cedem perante a já caduca concepção dos três pólos (ou ex-distritos que ainda existem na cabeça de muitos) por via do peso populacional. Se foi esse o argumento que enviesou, durante anos, as transferências do Estado para as Regiões Autónomas, dando, injustificadamente, maior relevância à Madeira, ... essa razão já lhe não serve para atender às reivindicações do Pico, face a outras ilhas que, podendo ser mais populosas, já não necessitam de tantas “ajudas” por já estarem noutra fase de desenvolvimento. Haja coerência!
No Pico, o que se poderia resolver em semanas, havendo vontade, deixa-se arrastar por anos – segundo o ditado antigo de que “enquanto o pau vai e vem folgam as costas", talvez porque há interesse em justificar obras e perpetuar estruturas noutras ilhas que só existem à custa da população do Pico. Relacionado com o Aeroporto, temos os casos do reforço da rota Pico-Lisboa-Pico – há quatro anos neste estado de “desobriga”, das luzes da pista e do abastecimento de combustível às aeronaves, e a gorada instalação do ILS por manifesta incompetência (ou desvergonha?) do projectista das obras de terraplanagem, e que vai trazer um volumoso aumento de custos. Todos vão definhando (quem sabe, propositadamente) sem solução à vista.
Noutros aspectos já pertencentes aos “anais da História”, a primazia de algumas ilhas, nomeadamente, no que nos afecta mais, da ilha ex-sede da ex-capital de distrito da Horta sobre o Pico continua a imperar. Como exemplos, continuamos a ter: o Hospital do Pico adiado – porque tivemos a má sorte de haver um do outro lado do Canal, que foi erradamente estruturado para servir duas ilhas, quando racionalmente seria para uma só, com outro no Pico e distribuição de valências e serviços pelas duas ilhas, que tem idêntica população e um rácio de área Pico-Faial de quase 3/1; as obras da nova (e sobredimensionada?!) gare marítima da Horta; e também do prometido aumento da pista do Aeroporto da Horta (pelo governo Regional , “mãos-largas”só para alguns, porque o dono da estrutura – empresa estatal - não quer arcar com esses exorbitantes custos) quando até seria mais defensável prever o Aeroporto do Pico para os voos intercontinentais quando se justificassem, o que não é o caso, por enquanto, nem cá nem lá. Hospital, porto e aeroporto da Horta ampliados só se fundamentam com um trânsito e ocupação inflacionados decorrentes da “obrigação” imposta aos picoenses de irem tratar da sua saúde ao Faial, dos locais e turistas demandarem forçadamente o Aeroporto da Horta, por deficiência e insuficiência do do Pico.

Não acredito em bruxas, mas também se diz: Pero que las hay, las hay…

(Para ler o restante, podem consultar o "DefenderoPico")
(Não faltarão os vizinhos a atirar-me pedras, mas não tenho telhados de vidro! ... que o fiel da balança se endireite. E que o canal tenha dois sentidos!)

Cardeal disse...

Só cã faltava o defensor dos defensores do Pico. E o que é que faz outra vez? Tenta mais uma vez falar mal do Faial. Se calhar devia lavar a boca antes de falar desta ilha. Já lhe disse outras vezes, deixe o Faial em paz e defenda o Pico só a falar nele. Parece que não consegue, é pena.

Mais 1 Defensor disse...

Olhó Cardeal outra vez!!
Claro que Defensores do Pico são cada vez mais precisos e se denunciarem sempre as injustiças, como a do Pico estar a ser canibalizado pelo Faial, melhor ainda. Porque lhe fazem tanta confusão estes textos? O Defensor n.1 não está contra o Faial, quer é que o Pico tenha iguais oportunidades, parece-me.

artur xavier disse...

Vossa "eminência" vai-me perdoar (Absolver!) mas como pretende vª exª revª que defendamos estas Pedras Negras sem usar-mos termos de comparação?! Havemos de nos comparar com quem? Com as Ilhas Canárias ou com Cabo Verde?!
Desculpe-me, mas vª exª revª traz-me à memória um certo Cardeal que imperou na corte de Luis XIII...

Cardeal disse...

Muito bom dia. Desde já agradeço todos as palavras que mostram o respeito que têm para com os membros do clero. Ainda bem que assim é pois isso só demonstra que no meio de tanta desgraça ainda vos resta um pouco de bom senso e de respeito para com o próximo. Só vos peço uma coisa meus senhores, sejam mais tolerantes, não protestem tanto e, sobretudo, não tratem mal aqueles que não os tratam dessa forma. Aqueles que merecerem serão recompensados, os outros terão o castigo que merecem. Um dia todos serão julgados e uns serão perdoados e outros não. Por isso, meus amigos, pensem no que andam por cá a fazer e se realmente vale a pena andarem nestas "guerras" que não levam a lado nenhum. O mundo precisa é de paz e amizade entre as pessoas. Viva o Pico, viva o Faial e vivam todos os lugares e pessoas de bem. Bem hajam.

artur xavier disse...

Eu leio o último comentário deste eminente clérigo e fico comovido. Palavra de honra que fico! O apelo à união, à amizade, à paz... Tudo muito certo mas, meu caro amigo, quando o mar bate na rocha, quem é que se lixa, quem é?... Ah, pois é!
Para um sacana, sacana e meio. Essa de levar uma bofetada e dar a outra face, já era. Esse era o tempo em que se amarravam os cães com linguiça, sabia!?
Temos de lutar por aquilo a que, legitimamente, temos direito e mal dos que pensam que alguma coisa há-de caír do céu. Se mostramos algum azedume é porque a isso nos obrigaram. Basta recuar, um pouco, no tempo e ver como temos sido discriminados. E nunca pela positiva, caramba! Digo isto sem complexos mas com sentimento. Pode crer!

Defensor nº 1 disse...

A paz que defende também nós, picoenses, a queremos. Quando se trata de reparar injustiças é então que não podemos ficar calados e temos que pugnar pelo nosso progresso. Se o Cardeal vivesse no Pico ou conhecesse melhor a nossa realidade, não nos acusaria de guerras vãs. Imagine-se por um momento no Pico a ter que atravessar o canal em dias de temporal para uma urgência de alguém da sua família destinada ao Hospital da Horta, ou até para o parto da sua mulher. Imagine que tem os meios de sair para Lisboa e tem que atravessar quase sempre (80%?)o Canal para o fazer. Imagine que estão a enganá-lo constantemente com promessas de que vão fazer Hospital ou Bloco de partos, ou que o Aeroporto depois de 4 anos com uma única ligação a Lisboa sempre vai aumentar os voos, mas é mentira, não há meios, combustíveis, luzes na pista que são das melhores do mundo, mas que os pilotos não querem ver. Imagine que lhe vão roendo os meios, exemplo de infra-estruturas hoteleiras, por grupos com interesses inconfessados de prejudicar o Pico.
Revoltar-se-ia ou não por não haver os meios, só por casmurrice ou má gestão de quem manda?
É claro que há vida para além destas mazelas, más há-de concordar que por aqui passa muita da qualidade de vida das populações: acessos e saúde.
Também irá contrapor-me que, por exemplo os jorgenses, graciosenses, florentinos e corvinos têm que sair por outra ilha nas suas ligações ao exterior ou para tratar da sua saúde. É verdade, mas (ainda) não lhe deram os meios para tal. Terá que admitir que a dimensão e população das suas ilhas são também diferentes.
Ah! E ninguém nos vai defender-nos se não lutarmos por nós em primeiro lugar. O facto de aqui haver comparação com o Faial é que ambas são ilhas com populações idênticas, embora o Pico tenha quase 3 vezes a área do Faial, e também (pode custar a admiti-lo, se for do Faial) outro potencial de desenvolvimento. E o Canal sempre funcionou, durante séculos no sentido Pico-Faial (também não é preciso inverter o sentido: basta equilibrar a balança. Será impossível partilharmos uns bocadinhos "da mesa dos ricos", quando o que falta é só decidir acertadamente? Porque diabo incluíram o Pico nas ilhas mais desenvolvidas (não-coesão), sem lhe terem dado os meios primeiro?
Não devo ainda tê-lo convencido, nem pretendo fazê-lo, porque há realidades que, ou não se viveram e, como tal, não se entendem, ou não se querem MESMO perceber.

Rui Medeiros disse...

Artur e Defensor, tiro-vos o chapéu! Muito obrigado por continuarem a comentar aqui!

do Malho disse...

Realmente é um bocado triste como nos tratam, mas mais triste ainda como o aceitamos.

Se calhar o dinheiro que foi gasto pela ACIP em fazer uma festa de despedida de estudantes seria mais bem gasto em acções de consciencialização dos mesmos para a luta que tem que ser travada.
Se todos os estudantes se deixassem de conformismos podia ser que houvesse alguma mudança.

Comentários do tipo "mas pelo Faial é mais rapido" até nem são verdade certas vezes com o tempo de espera da lancha e consequente viagem.

É triste ao que chegámos, mas cada viagem confirmada pelo Faial é uma facada no desenvolvimento do Pico

Anónimo disse...

Pelo amor de DEUS parem de viajar pelo Faial,assim nunca teremos estatistica que nos de razão para o aeroporto funcionar em condições.A culpa desta situação se manter é da porcaria dos deputados do Pico que não defendem os interesses da sua ilha e das pessoas que deviam sempre embarcar no aeroporto da ilha do PICO...mudava tudo rápidamente.

artur xavier disse...

Caro Rui:
Da minha parte, não tem nada que agradecer, embora as suas palavras me tenham sensibilizado. Sou um assiduo frequentador do seu blogue, porque gosto. Pelos temas e pela frontalidade com que os aborda. Força, amigo!

Rui Medeiros disse...

Mais sobre o assunto no noticiário da RDP Açores aqui a partir do minuto 1:30.

Além disso deixo aqui o que vem nas JAR, que justifica a necessidade de treino adicional, mas não o atraso.

AMC OPS 1.975
2 Aerodrome competence
2.1 The Operations Manual should specify a method of categorisation of aerodromes and specify the
requirements necessary for each of these categories. If the least demanding aerodromes are Category A,
Category B and C would be applied to progressively more demanding aerodromes. The Operations Manual
should specify the parameters which qualify an aerodrome to be considered Category A and then provide a
list of those aerodrome categorised as B or C.
2.2 All aerodromes to which an operator operates should be categorised in one of these three
categories. The operator’s categorisation should be acceptable to the Authority.
3 Category A. An aerodrome which satisfies all of the following requirements:
a. An approved instrument approach procedure;
b. At least one runway with no performance limited procedure for take-off and/or landing;
c. Published circling minima not higher than 1 000 feet above aerodrome level; and
d. Night operations capability.
4 Category B. An aerodrome which does not satisfy the Category A requirements or which
requires extra considerations such as:
a. Non-standard approach aids and/or approach patterns; or
b. Unusual local weather conditions; or
c. Unusual characteristics or performance limitations; or
d. Any other relevant considerations including obstructions, physical layout, lighting etc.
4.1 Prior to operating to a Category B aerodrome, the commander should be briefed, or self-briefed by
means of programmed instruction, on the Category B aerodrome(s) concerned and should certify that he
has carried out these instructions.
5 Category C. An aerodrome which requires additional considerations to a Category B aerodrome.
5.1 Prior to operating to a Category C aerodrome, the commander should be briefed and visit the
aerodrome as an observer and/or undertake instruction in a Flight Simulator. This instruction should be
certified by the operator.

A meteorologia é razão suficiente para a SATA considerar o Pico categoria B. No caso da TAP é B obrigatório, os A320 têm limitações na pista do Pico, logo não pode ser considerada categoria A para essa operação.

picaroto84 disse...

Concordo com quem diz que os picarotos devem parar de voar pelo Faial.
Sem duvida que muitas vezes não temos outra opção sem ter de se ir pelo Faial mas também é certo que muitas outras temos outras opções e que por comodidade ou por custar mais alguns euros a maioria evita.
Eu pessoalmente sou completamente contra e evito a todo o custo voar pelo Faial.
Durante 5 anos estive a estudar em em São Miguel e para vir de ferias ao pico era sempre uma complicação.
Umas vezes não havia voos, outras vezes supostamente a lotação estava esgotada mas se tentasse a lista de espera lá conseguia lugar e depois via que na realidade o avião estava com bastantes lugares vazios, e para não falar dos habituais cancelamentos devido ao "mau tempo" muitas vezes apenas desculpa esfarrapada.
Todos nós de certeza que já nos deparamos com estas situações que acabei de relatar.
Como sou completamente contra ter de ir para o Faial tendo as condições no pico evito sempre que possível fazer esse desvio completamente incomodo.
Só uma vez por ter frequência no dia seguinte de manha (aqui levanta-se também os péssimos horários dos voos pro pico)é que tive de ir pelo Faial e foi porque após ter feito check in no pico lá decidiram que estava demasiado vento para o avião vir e eu não tive outro remedio sem ser atravessar o raio do canal.
No resto das situaçoes há sempre opcção.
Se não havia voo ia pela terceira mesmo que tivesse de esperar 3 horas. O voo era cancelado não aceitava a alternativa faial e a sata pagava hotel.
Hoje em dia estou em lisboa a viver e qd preciso de ir ao pico e vir e não da para ir pela tap prefiro pagar mais um pouco e ir para sao miguel ou terceira e depois apanhar voo para o meu verdadeiro destino.
Eu qd vou para o pico quero ir de aviao e não de barco e estou pagando é para ir para a minha ilha.

Enquanto os picarotos não mostrarem mesmo a sua posição de força as coisas nunca irão mudar.
Temos de fazer com que todos abram de uma vez por todas os olhos e batam o pé para estas injustiças que ocorrem já há muitos muitos anos.
Podemos não mandar mas se todos fizermos uma verdadeira pressão as coisas acabarão por mudar.
Eu por mim continuarei a rejeitar a opção Faial e se todos o fizessem acredito que a sata e a tap acabariam por ter de repensar as coisas.

Bruno Rodrigues disse...

Boa reportagem da Antena 1 Açores... tá tudo dito.

PAI disse...

Tal sorte têm os picoenses em poderem usar o aeroporto da Horta!
Nós em S. Jorge, se não há lugar no vôo ou cancela com o vento Norte, estamos lixados e mal pagos!!
E os nossos vizinhos da Graciosa a mesma coisa!
Se formos mais para Ocidente ainda é pior.Os florentinos já são conhecidos como os Iranianos,irão não irão,nunca se sabe.
Mas a vida é assim, nunca estamos satisfeitos com o que temos,queremos sempre mais!!

João disse...

Posso estar errado... mas na minha opinião um dos grandes problemas das ilhas menos desenvolvidas nos Açores, onde o Pico se inclui, é a falta do trabalho de investigação da comunicação social no terreno. Eu penso que casos como este tinham de ser largamente denunciados a nivel nacional, a opinião pública precisa de mobilizada para estas vergonhas nacionais!
Aqui no blog fala-se muito, e bem, mas numa perspectiva regional. Eu creio que a SIC teria todo o interesse em mostrar estas vergonhas regionais (falta de decisão, má gestão, interesses ocultos) no programa "Nós por cá".

Lanço o repto ao dono do blog para um contacto junto da SIC, para uma possivel reportagem, quem sabe até uma reportagem alargada, de formato de programa semanal de reportagens? Porque sinceramente esta situação é inadmissível! Num país com tanta miseria a despontar, constroiem se aeroportos e andamos a empatar o desenvolvimento económico?

Penso que é vergonhoso o modo laxista como os governantes e representantes do pico se mantêm "estátuas" perante tal descabimento nas decisões tomadas em empresas estatais, regionais, e mesmo nas entidades açorianas.

Desde 2003 que acompanho este assunto do aeroporto do Pico.
Já não há palavras para descrever tamanha incompetência!

Rui Medeiros disse...

Parabéns Pai! Por um dos poucos comentários acertados que faz!
Só é pena que se diga coisas destas só quando convém, se estivéssemos a falar outra vez de estatísticas para justificar o pedido de mais voos, aí já não dá jeito reconhecer os nossos voos pelo Faial!
Porque sim, ainda bem que temos essa opção, mas sim, queremos melhor.

Bruno Rodrigues disse...

E esta hein ?
http://img682.imageshack.us/img682/6720/a310f.jpg

Com ventos destes também na Terceira deveriam ser cancelados voos... Mais um para manutenção?

Bruno Rodrigues disse...

Faltou dizer que no email que me enviaram com essa imagem, estava indicada a data 20/11/2009.

SataINFO disse...

Negativo. Venho por este meio dar-lhe 100% certezas qe o A310 , não sofreu qualquer dano, continuando os seus voos regulares. Cumprimentos.

Anónimo disse...

Sendo eu do Continente, no passado dia 23 de Nov tive de me desocar ao Pico ao funeral de um familiar meu. Infelizmente a minha avó faleceu na Terceira no dia 20, e só foi possivel trazer a urna para o Pico no dia 23. No entanto mais uma vez algo correu mal. O voo que traria a urna e os familiares que a acompanhavam foi cancelado alegando a SATA que o vento cruzado não permitia o voo. Eu estava no aeroporto e garanto que o vento apesar de estar com algumas rajadas não deveria ultrapassar os limites opercionais para o aeroporto. Assim, a urna teve de ficar na Terceira, e os famliares, tal como os restantes passageiros encaminhados para a Horta já de noite para depois serem levados de lancha para a Madalena.
Na minha opinião a SATA não quis perder passageiros nesse voo para o Pico, pois para levar a urna teria de retirar cadeiras e perder passageiros, e usou apenas o argumento da inoperância do aeroporto para não realizar este voo como estava previsto. Claro que para além da dor dos familiares por terem de esperar mais um dia para realizar o funeral e dos custos acrescidos, passaram mais uma noite na dúvida se no dia seguinte viria ou não a urna.
A solução encontrada pela SATA foi na terça feira dia 24 trazer a urna num voo que se destinava à horta, fazendo escala no Pico.
Gostaria e saber qual a opinião do Rui, e se consegue saber os dados da metar de 23 de nov entre as 1500 e as 1700
Obrigado

Miguel Tolda

Anónimo disse...

Caro Miguel, os meus pêsames. Tudo isso é inadmissível. Já andam a "brincar" connosco há muitos anos, não há obra naquele aeroporto que vá fazer isto parar. É uma pouca vergonha. O serviço da SATA ultimamente faz lembrar a decadência recente da Transmaçor.

Isto tem de parar!

Rui Medeiros disse...

Boas. Posso-lhe dizer que voei nesse dia de manhã e o voo também atrasou por causa da meteorologia. Na altura estavam 16 nós com rajada de 26, portanto já fora dos limites actualmente publicados.
Como o tempo estava para ir piorando para a tarde, não me admira que se tenha mantido fora dos limites, até mesmo piorando um bocado, mas não o posso confirmar porque só tenho acesso aos metar do Pico na hora em que são publicados.
Este tipo de ventos de facto fazem que, na aerogare, tudo parece muito calmo, mas para o lado da pista 27 estaria pior. Isso tem a ver com a forma com o ar escoa pela montanha, como vem descrito na minha tese, e acredito que é possível operar com segurança com vento mais forte que os limites actuais se o vento permitir a operação da pista 09. Mas com as coisas como estão, a SATA estava no direito de cancelar alegando como motivo os ventos.
Posso ainda dizer-lhe que o voo foi preparado à saída de Ponta Delgada para levar a urna, e só terá cancelado à saída da Terceira, logo não pelos motivos sugeridos.
É verdade que com tanta coisa às vezes parece perseguição, mas por vezes as coisas são mesmo como nos dizem.
Condolências pela sua perda.

Anónimo disse...

Obrigado pela resposta. Realmente na Aerogare ñão se sentia que tivessem más condições, mas olhando para a montanha via-se vários rotores nas nuvens provocados pelo vento. Também de manhã quando voei para a Horta vindo de Lisboa ao sobrevoar S.Jorge e o canal pude observar claramente ondas de montanha formadas pelas nuvens com o vento de sul.Em relação ao transporte da urna só não compreendi que ao levarem os passageiros para a Horta e depois para a Madalena não a pudessem levar também, uma vez que estava previsto o transporte da mesma para o Pico.
Fica na mesma o meu agradecimento pela pronta resposta que foi dada.
Apesar da tristeza do motivo que me levaram aos Açores, foi bom rever novamente a mais bela ilha dos açores - O Pico
Um abraço de um continental que tem na sua vida para além da familia mais duas paixões. O Pico e os Aviões

Miguel Tolda