19 janeiro 2009

TAP no Bom dia Açores

Chamaram-me a atenção para uma participação de alguém da TAP no programa Bom dia Açores desta manhã, em que se discutiram alguns aspectos relacionados com a operação no Pico. Eu não tive acesso ao programa mas transmitiram-me, resumidamente, que foi dito que a taxa de ocupação mantêm-se baixa, na ordem dos 40% tendo mesmo caído 3% este ano em comparação com 2007, sendo que esta queda foi ainda associada à mudança do dia do voo para o sábado. Terá sido dito também que não se vem mais vezes ao Pico porque não há oferta de alojamento suficiente durante o verão, entre outras limitações como a falta de combustível, e a impossibilidade de operar de noite por imposição da própria operadora.

Visto isto eu acrescentaria que a ocupação para o Pico de facto não é nada de especial mas, a meu ver e dada a especificidade do nosso caso, mais um voo não terá o efeito de diminuição dessa ocupação uma vez que todos sabemos que ninguém espera uma semana por um voo com a possibilidade de sair pelo Faial, ou seja, a baixa ocupação é potenciada pela baixa frequência. Vale a pena referir também que os voos são feitos em A320, se fossem em A319 tínhamos logo um aumento na estatística da ocupação na ordem dos 8%. Quanto à diminuição de 3% em relação ao ano passado, penso que não a devemos associar ao voo ter passado para o Sábado. É preciso lembrar que só em Maio é que o voo mudou para o sábado e nessa altura com partida do Pico ao fim da tarde, de tal modo desajustada que muitas pessoas utilizaram o voo da Horta no mesmo dia porque chegava mais cedo a Lisboa. Só em Novembro o voo passou para o horário actual. Logo acho cedo para se tirarem conclusões, ainda para mais quando 3% equivale a apenas 240 passageiros. (Bastava 1 voo extra de Natal cheio para compensar esta descida...)
Depois aparece a desculpa do alojamento, e aí basta-me perguntar como é que no verão o Faial suporta 14 vezes mais voos que nós com cerca de 3 vezes mais camas? Não pode ser por aí que podem desculpar não fazer mais 1 voo.
E para finalizar, ainda nos dizem que não vêm ao Pico de noite! Isso já nem é novidade, afinal só a Força Aérea experimenta as nossas luzes! Mas ninguém está a pedir que o segundo voo seja de noite!

12 janeiro 2009

Ainda os voos extra do Natal

Afinal a TAP sempre deu uma desculpa pela falta de voos extra para o Pico este Natal. Como podem ver aqui, o bode expiatório foi a falta de combustível. Interessante como isso não impede a realização de um voo extra para a corrida dos reis no dia 27... Mas pronto, a culpa também é de quem tem deixado arrastar o processo do combustível e, já que falamos em atrasos, também do ILS, deixando uma escapatória aos senhores das companhias aéreas quando se fala em aumentar os voos para o Pico.

10 janeiro 2009

Neve na cidade

Nevou, outra vez, na Covilhã! Mas desta vez já estava cá para tentar umas fotos!



08 janeiro 2009

Taxas de combustível

Finalmente está aí a boa notícia, a TAP já anunciou que vai baixar as taxas de combustível nas ligações entre os Açores e Lisboa para 4 euros por percurso, o que significa uma redução de 52 euros no preço final a pagar por um bilhete de ida e volta. Em breve a SATA deverá anunciar também uma redução idêntica, uma vez que estas taxas são reguladas pelo INAC uma vez que estas ligações estão ao abrigo de obrigações de serviço público.

03 janeiro 2009

Spotting no Pico XI

Mais uma vez ficam aqui algumas fotos tiradas durante as férias!







02 janeiro 2009

SATA muda de imagem

Segundo o Diário de Notícias o grupo SATA prepara-se para apresentar uma nova imagem. Segundo dizem manter-se-ão os mesmos tons de azul mas pretende-se que a imagem enquadre-se mais na nova filosofia atlântica da companhia. A mudança está a cargo da Brandia, a mesma empresa que trabalhou com a TAP na sua mudança de cores.
Ao nível de spotter até pode ser uma notícia interessante e estou curioso para ver o que vai sair daqui, mas, e tendo emconta os tempos de crise, não deixo de achar uma mudança desnecessária quando a imagem actual ainda nem era ostentada por todos os aviões no começo de 2005, ou seja, à quatro anos atrás.