24 fevereiro 2008

O combustível e o ILS

Desde que começaram as obras para a instalação dos tanques de combustível para a aviação no Pico, apareceram algumas críticas a este investimento.
Concordo que este não é um investimento prioritário para o Pico, mas não deixa de ser importante, e enquadra-se no conjunto de investimentos que têm vindo a ser realizado no aeroporto do Pico. Embora também não acredite que assim que o combustível esteja disponível no Pico os voos da TAP passem automaticamente a ser directos, sem ele o aeroporto têm as pernas cortadas. Talvez seja isso o que alguns desejam, mas vendo bem, ter combustível no Pico pode beneficiar mais gente do que pensam.
O combustível vem permitir que os aeroportos do Pico e Faial finalmente se complementem. Não faz sentido uma aeronave divergir para onde não pode reabastecer e esta é uma das razões porque isto não acontece mais vezes hoje em dia. De que servia divergir para o Pico se depois é preciso passar noutra ilha? Que sentido tem ser sempre necessário trazer muito combustível extra para contar com a possibilidade de uma aterragem não planeada no Pico?
Assim, o combustível no Pico permite que quando não se consiga aterrar no Faial se possa aterrar no Pico, nos dias que em que tal seja possível, sem complicações tal como acontece no sentido inverso, garantindo-se a um passageiro que só em casos extremos não chegará ao seu destino no mesmo dia. O incómodo de uma viagem de barco será menor quer para o passageiro quer para a companhia aérea do que uma noite noutra ilha ou mesmo em Lisboa. Deste modo pode ser mais fácil atrair quer turistas quer operadores para o destino triângulo.
Um aeroporto sem combustível limita à partida as suas possibilidades de sucesso, porque não dá flexibilidade às operadoras. As condições para a realização de um voo variam todos os dias, e a impossibilidade de reabastecer no Pico pode limitar mesmo a operação inter-ilhas. É previsível que a SATA raramente reabasteça no Pico, mas só porque o pode fazer, surgem novas possibilidades.
De qualquer maneira a vinda do combustível por si só pode não significar grandes mudanças na prática. No entanto aliada a outro investimento contestado, o ILS, pode dar lugar à requalificação do aeroporto do Pico, que dotado de combustível e uma aproximação de precisão, estará equipado para servir de alternante aos voos inter-ilhas, o que pode facilitar a operação da SATA em dias de mau tempo.
Aqui entram ainda as críticas do vento sul. Quem quer que seja que tenha tentado transmitir que o ILS resolve limitações de vento é um idiota. Mas não quer isto dizer que a instalação do ILS é inútil pois vem de facto melhorar a operacionalidade do aeroporto, de tal forma que pode até aliciar algumas escalas técnicas de pequenas aeronaves que hoje em dia passam pelo Faial.
Deste modo, penso que críticas a este tipo de melhoramentos na operacionalidade de um aeroporto, no tom que têm sido feitas, quando depois do acidente em S. Jorge tanto se reclamou por melhorias nos céus Açorianos e enquanto são pedidas para outros aeroportos melhorias muito mais dispendiosas, são hipócritas.

P.S.: Passaram 4 meses desde que o Presidente do Governo Regional disse que o ILS estaria instalado dentro de 3 meses, e não há qualquer sinal da instalação das antenas. Será que ainda vamos ter de esperar tanto como aconteceu com Faro ou Ponta Delgada?

20 comentários:

Padre disse...

O Sr. Rui tem que perceber que da maneira que os numeros evoluem S.Jorge tem um potencial de crecimento maior que o Pico, logo tambem deveria ter os mesmos investimentos que o Pico.
O ILS nunca vai mudar o vento de Sul, e os combustiveis nao tem vantagem.
Se calhar em alojamentos ja valeria investir ou num hospital,em vez de gastar milhares no futebol , hoquei e Volei isto apenas como Exemplo.
Apenas um bom conselho.

One-Way Channel disse...

Este padre de S. Jorge vem cantar missa para aqui. Vai criar um blog airS.Jorge? ou transformar este? Pouco discernimento terá quem não vê que S. Jorge tem cerca de 2/3 da população do Pico e se os múmeros de passageiros se mostram equivalentes - o que se poderá questionar - só o serão porque S. Jorge não usa o Faial como saída/entrada, ou só em número residual. O Pico está a partilhar os seus passageiro com o Faial. A nossa luta é para que os nossos possam usar o seu aeroporto em vez de engordarem estatísticas dos outros. Vamos pressionar quem de direito para mais voos, embora possam ser retirados ao Faial, para minimizar encargos das transportadoras e do serviço público. Insisto que a distância do canal é a mesma nos dois sentidos!...

Quanto ao potencial de crescimento, é ao gosto de cada um...

Anónimo disse...

Este padre esta fora da graca de Deus. Sinceramente, peca mais do que pratica a fe. Meu deus, perdoai-o porque ele nao sabe o que diz.

Ana Clara disse...

O presidente do Governo dos Açores anunciou hoje que está concluído, com o Governo da República, o processo negocial respeitante às novas Obrigações de Serviço Público de Transporte Aéreo entre os Açores e o Continente e a Madeira, as quais já foram enviadas ao Instituto Nacional de Aviação Civil com o objectivo desta entidade as mandar publicar no Jornal Oficial da União Europeia.

Na rota Pico/Lisboa/Pico passa a ser obrigatório ter um voo semanal entre a sexta-feira e o domingo. Nesta rota a oferta de lugares é também aumentada. Trata-se de uma modificação importante para a consolidação e desenvolvimento desta ligação, dado que o voo que a TAP vinha fazendo à terça-feira não servia os interesses desta ilha.



Com o funcionamento do abastecimento de combustíveis aos aviões no aeroporto do Pico, que se prevê que venha a acontecer em Julho próximo, e com o aumento previsível das taxas de ocupação deste voo ao fim de semana, é provável que as transportadoras aéreas venham não só a estabelecer ligações directas com Lisboa, como a aumentar o número de frequências para a ilha do Pico.


Agora uma pergunta?
Será que se trata de uma aumento de mais um voo ou uma simples alteração do voo de terça feira para fim de semana?

É que o comunicado não é bem explicito ao dizer

Trata-se de uma modificação importante para a consolidação e desenvolvimento desta ligação, dado que o voo que a TAP vinha fazendo à terça-feira não servia os interesses desta ilha.

Padre disse...

S.Jorge pode ter 2/3 da populacao mas em oferta de camas se calhar a situacao inverte-se e digo mais, e so consultar as estatisticas e ver a pouca diferenca de passageiros.
Nesta fase se tiverem mais voos a taxa de ocupacao vai descer, logo a TAP e SATA nao devem estar muito interessadas nisso.
Como ate agora tenho acertado,no futuro veremos como isto apenas e mais um capricho dos Picoenses em relacao aos Failenses.
E ja agora os combustiveis nao mudam a estrategia da TAP e SATA.

Anónimo disse...

Oh Sr Padre, ainda não percebeu porque razão S. Jorge tem número semelhante de passageiros em relação ao Pico? Pensava que o convívio com o criador lhe abrisse as ideias!...

Bispo disse...

Caro Sr. Padre, esqueceu-se de um pormenor, e a ilha é mais bonita.
Quanto aos caprichos, mas ainda alguém tem dúvidas?????

Papa disse...

Sr. bispo e outros picoenses que não querem ver as coisas. Nos jorgenses sabemos que os senhores picoenses usam o faial, mas para que isso interessa? ah pois interessa, mais um aspecto que os senhores tem o faial, nós temos o ke a terceira?... n digo que quermos ter ILS isso e impossivel...mas pelo menos um voo semanal..a sexta. abraços

Anónimo disse...

São padres, papas, bispos....e nenhum deles encontrou a solução divina para os problemas das vossas ilhas. É preciso ter calma, com o tempo as coisas melhoram. Continuo a dizer o que problema do pico não são os voos mas sim a falta de equipamentos e infraestruturas tal como um hospital e hotelaria, de que serve ter mais voos se não existe um numero de camas suficientes.
Recordo-me de um fim em que estavam no pico várias equipas desportivas e se não me engano o governo, e que não havia "lugar" para toda essa gente.....
Cumprimentos: Pires

Rui Medeiros disse...

Tem razão, foi a corrida dos reis associada às outras modalidades com equipas do Pico nos nacionais.

Papa disse...

Alguém me sabe dizer quantas camas despoe o pico neste momento exacto?

Padre disse...

o numero de camas no Pico nao deve ser dificil...existia 2 Hoteis e agora um fecha para obras,isto quer dizer que por mais de um ano so mesmo o Corvo e as flores terao menos camas que o Pico , logo as contas sao faceis de fazer...
Que Deus vos abencoe!!

Papa disse...

desculpe informar, mas so mesmo o corvo, porque as flores ja conta com 2 hoteis e o 3º de 5estrelas ja ta em obras...São jorge neste momento conta com 1 hotel, 2º dentro de 2 anos ta pronto; 3 residenciais; 6 quintas; 4 blocos de apartamentos e o 5º a ser construido com ginasio e piscia aquecida. Resumidamente, sao jorge em camas vai de bom a excelente.

Rui Medeiros disse...

Através de uma curta pesquisa na net:

Hotel Caravelas
Aldeia da Fonte
Hotel Pico ( está fechado para obras, não vai simplesmente desaparecer... quer dizer, vai, mas vão fazer um novo! :P )

Depois em turismo rural temos:
A Abegoaria
Adegas do Pico
Pocinho Bay
Casa da adega
Cazas do Pico
Glicinias do Pico
...

Apartamentos:
Alojamento Bela Vista

Residenciais:
Whale come ao Pico, do espaço talassa
Montanha

Pensões:
Açor
Pico
Minibela

Casa de hospedes:
O Castelete
Miradouro da Papalva

Faltarão aqui ainda alguns locais onde se pode ficar no Pico, sobretudo casas e adegas que estão disponíveis para turismo.

Rui Medeiros disse...

Descobri mais alguns dados no site do serviço regional de estatística.

No Pico, até Dezembro de 2007 existiam 5 estabelecimentos de hotelaria tradicional com 416 camas, com o fecho do hotel Pico passam a 4 com 271 camas.

S. Jorge tem 2 estabelecimentos com 162 camas

E para mostrar todo o triângulo, o Faial tem 5 estabelecimentos com 737 camas.

Isto são dados de Dezembro de 2007 com excepção dos do Pico antes de fechar o hotel Pico, e apenas referentes aos hotéis tradicionais.

Papa disse...

Desculpe la mas os dados de são jorge que revelou n estam correctos, posso fazer uma pesquisa e em breve postarei aqui com o actual e com o futuro. e digo que menos de 350 camas nao temos

Rui Medeiros disse...

Dados do serviço regional de estatística referentes à hotelaria tradicional.

http://estatistica.azores.gov.pt/upl/%7B5d849edd-3f7c-4c1a-ba0e-444668f94091%7D.htm

Papa disse...

Ok as minhas desculpas pelo meu erro, mas faltam aí 2 estabelecimentos, por isso sobe para 246 camas sjz.

Anónimo disse...

Ao inves de juntarem esforços para terem mais influencia nas decisoes do GRA e Continente, não andam todos à porrada como as "criancinhas" do Jardim Escola.

Por favor, parem, pensem e juntem-se todos.... Faial, Pico, São Jorge, Flores, Corvo... as 9. Só assim vão poder fazer alguma coisa nas vossas terras.

E não são os nosso deputados que nos vão ajudar, porque estes estão todos "tachados".

P.S.: Concordo com o Rui, mas a longo prazo com a não utilização do combustivel armazenado este detriora-se, especialmente no nosso clima, e pode acabar por deixar de existir esta valência.
Relativamente ao ILS acho que a sua necessidade, não a utilidade, vai ser para um ou dois voos por ano.... e continua ter a certeza que não é dinheiro bem gasto.

Mas vamos ser positivos.

Bem Haja,
Joao Braga

Anónimo disse...

O Pico é aquele montinho de terra em frente do Faial e ao lado daquele calhau comprido a que chamam S. Jorge ?

Parabens pelo blog