13 fevereiro 2008

E finalmente uma no Pico

Para finalizar esta sessão de videos fica uma aterragem no Pico com vento sudoeste forte.

17 comentários:

André Ávila disse...

como tu proprio dizes uma aterragem destas nem sempre e perigosa nao o era nem muito menos agora nesta ilha.um abraço

José Melo disse...

Maraus.... Eu aqui em aulas e voces nos avioes :P
Bom video

Anónimo disse...

Qual era o vento nesta aterragem? Pelo que a manga de vento "diz" até está quase enfiado.....

Mas bom video....

Rui Medeiros disse...

Tal como está nas notas do video no youtube, o metar reportava na pista 27 23027G40KT
Julgo que na altura da aterragem não estava tão forte. Se reparar são só mais 40 graus para estar alinhado com a pista, e no ângulo que estava a filmar em relação à manga de vento não se nota muito a componente de vento cruzado.

Anónimo disse...

Realmente...bem observado,pela manga o vento esta no enfiamente mas...o ILS deve resolver isso hihihi!!!
Vamos esperar nao so para ver mas para rir, como o ILS nao resolve nada para o Pico bem como o investimento para reabastecimento tambem.(e estamos a pagar as teimosias do Picarotos)

Rui Medeiros disse...

Ao último anónimo, penso que lhe rejeitei um comentário por engano, se assim foi peço que o reenvie.

Mas é pena que pense assim, é este tipo de mentalidade que prejudica a ideia de um triângulo unido e em evolução. Senão veja, está a criticar as duas obras que vêm permitir ao Pico ser uma alternante ao Faial nos dias em que cancelam voos por causa de tectos baixos ou baixa visibilidade, e desta forma garante-se ao turista que visita o triângulo que chega ao destino no dia previsto com praticamente qualquer condição meteorológica, o que é benéfico para a promoção deste destino.
É esta a maior vantagem que advem do Pico ter combustível e ILS, até porque, pelo menos para já, não acredito que a TAP começe a deixar de passar pela Terceira.
Quanto à questão dos ventos no vídeo, o METAR estáva como disse, se analisar com atenção a manga verá que está conforme o que lá está reportado, 230 não são 180 graus.

Anónimo disse...

Do ultímo anónimo Rui!!
Antes de responder vou referênciar o que já tinha escrito.
1º-Se acontecer um acidente(esperemos que não),mas a 1ªprioridade na aviação é a SEGURANÇA e minimizar os risco.
2º-Onde está o "Hospital" mais próximo para dar garantias.
3º-E como vai ser transportados os feridos para "esse" Hospital.
4º-Será que os Bombeiros profissionais, do aeroporto, do Pico tem a mesma formação e requisitos na sua admissão que na Horta.
Os meios existentes para Socorro são os mesmos.
Poderia enumerar mais situações que concerteza não estão bem,mas..passando á resposta :
O triângulo unido será fácil mas primeiro é preciso que o Pico entre si consiga estar,o que até hoje nunca aconteceu.
Quanto ao investimento talvez seria melhor começar noutras áreas prioritárias.

Anónimo disse...

http://picopariselondres.blogspot.com/

Rui Medeiros disse...

Deduzo então que o comentário abaixo seja seu, e assim sendo já o comentei, mas passo para aqui o que já foi escrito no post mais antigo.

Anónimo disse...
Ja agora pergunto ao Sr.Rui Medeiros se efectivamente tem um departamento de Bombeiros profissionais(aeroporto) com as mesmas qualificacoes que os do aeroporto Horta...e se houver um acidente onde fica o hospital mais perto...e se alguma vez a TAP tiver que divergir para o Pico no Verao onde ficam hospedados os passageiros...tem de vir no cruzeiro para os hoteis no Faial...

20 Fevereiro, 2008


Rui Medeiros disse...
Os bombeiros do aeroporto do Pico são profissionais formados segundo as normas ICAO, logo têm as mesmas competências que os da Horta, aliás penso que algum do seu treino foi feito em Santa Maria com bombeiros da ANA, logo não serão, nem podem ser, em nada inferiores aos bombeiros da ANA.
O Hospital mais próximo fica no Faial. Se alguma vez a TAP divergir para o Pico é para beneficiar da proximidade do Faial e possibilidade dos passageiros chegarem ao destino no mesmo dia. Se for para ficarem de noite mais vale a continuar a divergir para Ponta Delgada e Terceira como acontece agora. De qualquer forma penso que Santa Maria têm menos camas que o Pico, e o seu aeroporto serve de alternante para aviões como o B747, que podem transportar mais de o dobro dos passageiros que transporta um A320.
Já agora digo também que o hospital mais próximo de Santa Maria, onde aterram mesmo alguns aviões em emergência, é em S. Miguel, bem mais Longe que o Faial do Pico e com muito menos ligações.

20 Fevereiro, 2008

luis disse...

Voos extraordinários TAP Verão 2008 para o Pico
Já estão programados 5 voos extraordinários a realizar à Quinta-feira nos dias 17, 24 e 31 de Julho, 28 de Agosto e 4 de Setembro, sendo estes ainda intercalados pela Terceira Mesmo já com anúncio dos combustíveis no Pico a partir de Junho, continua a passar na Terceira.
Por isso esqueçam para já os voos directos.

Rui Medeiros disse...

Ao menos este ano estão disponíveis com antecedência. Mesmo assim estes voos estarão ainda sujeitos a alterações caso as recomendações do Governo Regional para alterações nas condições de serviço publico sejam aceites, cuja a nova versão deveria sair este mês. A serem aceites é suposto o voo semanal realizar-se ao fim de semana, e o aumento de lugares oferecidos obrigaria a 2 voos semanais pelo menos em Julho e Agosto. Esperemos para ver.

Padre disse...

Entao confirma-se!!!
O problema do combustivel vai manter-se, porque na Terceira e mais barato o que se conclui que e um mau investimento e existe outras areas prioritarias no Pico para investir.(esta dificil de perceberem!!!)

PAI disse...

Depois de haver combustível no Pico em Junho, o vôo da TAP para o Pico, que anda praticamente vazio,em vez de passar na Terceira que já tem muitos vôos, deve passar em S.Jorge.Só assim haverá justiça, porque temos tantos passageiros como o Pico

Anónimo disse...

Realmente é fantástico que o voo tenha sido efectuado. Seria sempre bom que não houvesse cancelamentos. Os passageiros ficariam sempre felizes. É pena, na minha opinião, é que se arrisque tanto só para satisfazer certas pessoas. O que é certo é que nesse dia esse voo foi efectuado fora dos limites de operacionalidade do ATP. Se eu fosse Comandante não arriscaria, segurança acima de tudo. Mas também sei que os comandantes muitasa vezes são pressionados pelo pessoal de terra para que o voo se efectue, para evitar gastos adicionais com restaurantes, hotéis, etc.Como passageiro sei que é chato a espera, o atraso, o cancelamento. Mas também sei que sabendo das condições existentes no local preferiria que o voo cancelasse e fosse efectuado noutra altura com mais segurança. E aqui não se trata de ser Pico ou Faial, eu falaria assim em qualquer parte do mundo. Acabem com esta gegueira desmedida e pensem no que realmente vale a pena. Por situações destas, do "arriscanço", acontecem muitos acidentes e incidentes por esse mundo fora, e uma dessas situações foi com o ATP da SATA "CSTGM" em São Jorge. Mas as pessoas têm a memória curta e rapidamente se esquecem destas coisas. Eu trabalho em aeroportos e podem crer que vejo muitas coisas acontecerem e às vezes penso como é que muitos acidentes não acontecem. Não se deve brincar com a aviação. Um abraço a todos do blog.

Rui Medeiros disse...

O ATP tem um limite de componente de vento cruzado demonstrado de 36 Kts.
Para começar, realço a palavra demonstrado. Não é uma imposição, apenas foi provado em testes que o avião é capaz de lidar com uma componente de vento cruzado de 36 kts.
Pegando num gráfico para calculo da componente de vento, e tendo em conta que o ângulo entre o vento e a pista são 40 graus (270-230) obtemos uma componente de vento perpendicular à pista de 31 Kts.
Assim a única coisa que pode ser discutida são os limites de vento publicados para a pista do Pico, onde os 230 graus fazem a divisória entre a limitação de 20 e 30 kts. Como defendo que estes limites não têm uma sólida base científica, penso que é natural um piloto verificar as reais condições no local, sentir e ver como as coisas realmente estão e decidir o que fazer com base no que está realmente a acontecer. No vídeo assistimos a uma aterragem muito menos trabalhosa que qualquer um dos dois outros vídeos publicados recentemente neste blog, sendo que só mesmo a primeira é um caso extremo.
Assim não concordo que o vídeo demonstre qualquer tipo de “arriscanço”, e a intenção que tive ao colocá-lo foi demonstrar quão desajustados podem ser os limites rígidos publicados para o aeroporto do Pico da realidade.

madrinha disse...

Aí, é que nunca vou aterrar.
Tal perigo.
Antes São Jorge.

Rui Medeiros disse...

Quando disse que 31 kts eram a componente de vento perpendicular à pista errei, essa é a componente de vento alinhada com a pista, a componente perpendicular é de 26 kts.