26 fevereiro 2008

Ainda as limitações de vento do Pico

Depois da publicação das informações sobre o aeroporto do Pico no AIP gerou-se uma discussão sobre as limitações de vento que lá vêm publicadas.
Escrevo de novo sobre o assunto porque fica efectiva a 10 de Abril uma emenda ao AIP onde se corrige o parágrafo que fala nessas limitações, passando a lá estar a palavra que faltava... Recommended.

Podem ver a emenda em:

http://www.nav.pt/ais/airacs/LP_Amdt_A_2008_AIRAC_004-08_en_P4.pdf

25 fevereiro 2008

Acordadas as novas condições de serviço público

Foi hoje anunciado pelo Presidente do Governo Regional que as novas condições de serviço público para o transporte aéreo entre os Açores e o Continente já estão acordadas com o Governo da Republica, e foram já enviadas ao INAC para que sejam publicadas no jornal oficial da União Europeia, de modo a que entrem em vigor já no próximo verão IATA.
Além da novidade das tarifas promocionais para residentes que se aplicam a todas as rotas, para o Pico temos o anúncio da mudança do voo para o fim de semana, o aumento do número de lugares mínimos a serem oferecidos e o aparecimento no papel da complementaridade dos aeroportos do Pico e Faial.
Temos assim a confirmação de que foram aceites as propostas anunciadas na Assembleia Regional no final do ano passado. Assim, não é para já a segunda frequência semanal durante todo o ano, mas a mudança do voo para o fim de semana é um começo e espera-se que passe a servir melhor os Picarotos. O aumento do número mínimo de lugares oferecidos deverá, segundo o que foi dito pelo Secretário Regional da Economia, obrigar a que durante pelo menos Julho e Agosto existam duas frequências semanais. Falta saber o que a TAP fará com isto, se estas normas realmente entrarem em vigor para este verão IATA, uma vez que já saíram os horários para os 5 voos extra que tinham programado para este verão.
A verdadeira novidade que ainda não tinha sido anunciada, é passar a estar previsto o desvio dos voos do Pico para o Faial, e vice-versa, em caso de cancelamento dos voos. Como podem ver pelo meu último post, acho que é uma medida que nos vêm beneficiar, falta saber se as companhias vão optar por essa solução nos dias de mau tempo.
Assim, temos de aguardar mais um pouco para ver os resultados práticos das novas obrigações, mas parece-me que embora não esteja ainda contemplada a segunda frequência semanal para o Pico, estamos perante uma boa evolução.

24 fevereiro 2008

O combustível e o ILS

Desde que começaram as obras para a instalação dos tanques de combustível para a aviação no Pico, apareceram algumas críticas a este investimento.
Concordo que este não é um investimento prioritário para o Pico, mas não deixa de ser importante, e enquadra-se no conjunto de investimentos que têm vindo a ser realizado no aeroporto do Pico. Embora também não acredite que assim que o combustível esteja disponível no Pico os voos da TAP passem automaticamente a ser directos, sem ele o aeroporto têm as pernas cortadas. Talvez seja isso o que alguns desejam, mas vendo bem, ter combustível no Pico pode beneficiar mais gente do que pensam.
O combustível vem permitir que os aeroportos do Pico e Faial finalmente se complementem. Não faz sentido uma aeronave divergir para onde não pode reabastecer e esta é uma das razões porque isto não acontece mais vezes hoje em dia. De que servia divergir para o Pico se depois é preciso passar noutra ilha? Que sentido tem ser sempre necessário trazer muito combustível extra para contar com a possibilidade de uma aterragem não planeada no Pico?
Assim, o combustível no Pico permite que quando não se consiga aterrar no Faial se possa aterrar no Pico, nos dias que em que tal seja possível, sem complicações tal como acontece no sentido inverso, garantindo-se a um passageiro que só em casos extremos não chegará ao seu destino no mesmo dia. O incómodo de uma viagem de barco será menor quer para o passageiro quer para a companhia aérea do que uma noite noutra ilha ou mesmo em Lisboa. Deste modo pode ser mais fácil atrair quer turistas quer operadores para o destino triângulo.
Um aeroporto sem combustível limita à partida as suas possibilidades de sucesso, porque não dá flexibilidade às operadoras. As condições para a realização de um voo variam todos os dias, e a impossibilidade de reabastecer no Pico pode limitar mesmo a operação inter-ilhas. É previsível que a SATA raramente reabasteça no Pico, mas só porque o pode fazer, surgem novas possibilidades.
De qualquer maneira a vinda do combustível por si só pode não significar grandes mudanças na prática. No entanto aliada a outro investimento contestado, o ILS, pode dar lugar à requalificação do aeroporto do Pico, que dotado de combustível e uma aproximação de precisão, estará equipado para servir de alternante aos voos inter-ilhas, o que pode facilitar a operação da SATA em dias de mau tempo.
Aqui entram ainda as críticas do vento sul. Quem quer que seja que tenha tentado transmitir que o ILS resolve limitações de vento é um idiota. Mas não quer isto dizer que a instalação do ILS é inútil pois vem de facto melhorar a operacionalidade do aeroporto, de tal forma que pode até aliciar algumas escalas técnicas de pequenas aeronaves que hoje em dia passam pelo Faial.
Deste modo, penso que críticas a este tipo de melhoramentos na operacionalidade de um aeroporto, no tom que têm sido feitas, quando depois do acidente em S. Jorge tanto se reclamou por melhorias nos céus Açorianos e enquanto são pedidas para outros aeroportos melhorias muito mais dispendiosas, são hipócritas.

P.S.: Passaram 4 meses desde que o Presidente do Governo Regional disse que o ILS estaria instalado dentro de 3 meses, e não há qualquer sinal da instalação das antenas. Será que ainda vamos ter de esperar tanto como aconteceu com Faro ou Ponta Delgada?

13 fevereiro 2008

E finalmente uma no Pico

Para finalizar esta sessão de videos fica uma aterragem no Pico com vento sudoeste forte.

Aterragem ventosa

Na sequência do último video que coloquei no blog, coloco este que mostra uma excelente aterragem, para ilustrar que uma aproximação mexida não significa uma aproximação perigosa.

12 fevereiro 2008

Valente cacetada

Para quem anda pelos foruns de aviação este video não é novidade. No entanto fica aqui no blog como exemplo do que é de facto uma má aterragem para aqueles que não gostam muito destas coisas voadoras.

09 fevereiro 2008

Estatística do movimento nos aeroportos Açorianos 2007

Já estão disponíveis no site do Serviço Regional de Estatística dos Açores (http://estatistica.azores.gov.pt) as estatísticas referentes ao movimento nos aeroportos Açorianos no ano passado. Abaixo deixo 2 dos quadros que lá se podem encontrar.É de notar que o Pico foi o único aeroporto onde o desembarque de passageiros decresceu em relação ao ano anterior.

08 fevereiro 2008

Combustível no Pico em Junho

Li no ilha maior que já começaram as obras para a instalação do parque de combustíveis para o aeroporto do Pico no porto de S. Roque. O investimento chega aos 2 milhões de euros o que inclui a aquisição de uma viatura que fará o transporte até ao aeroporto e o próprio abastecimento do avião, e espera-se que tudo esteja pronto em Junho.

05 fevereiro 2008

Investimentos nos aeroportos geridos pela SATA

A SATA gestão de aeródromos lançou recentemente mais 3 concursos públicos.

Para o aeroporto do Pico foi lançado o concurso para a construção do armazém do material de placa, com arquitectura semelhante à dos edifícios construídos, constituído por espaço amplo destinado ao parqueamento coberto de tractores, carrinhos de bagagem, escadas, porta - paletes, etc., além de uma zona administrativa, uma zona para o pessoal e uma zona de armazenamento, com cobertura em material adequado às elevadas temperaturas que se fazem sentir no período estival, devidamente arejada tendo em conta os eventuais gases dos escapes dos equipamentos, com iluminação natural e uma área de implantação de 1171,64 m2. Foi também lançado outro concurso para o reforço do abastecimento de água.

Para o aeroporto de S. Jorge o concurso é o da empreitada de concepção - construção da ampliação e alargamento da pista do aeroporto e inclui ainda área de segurança da pista, uma torre de informação, alteração de placa de estacionamento de aeronaves, instalação de sinalização da pista e fornecimento e montagem de uma estação VOR/DME.