23 dezembro 2007

Mais uma vez as luzes da pista do Pico

Em Dezembro do ano passado falei pela primeira vez no problema das nossas luzes, quando vários voos cancelaram por causa do por de sol. Nessa altura tivemos direito a resposta com a informação que o atraso na sua certificação se devia a problemas na instalação que ainda estavam por resolver.
Mais tarde, em Abril deste ano, sai a notícia da certificação das luzes, mas em Maio voltam a cancelar voos por causa do por do sol. Em Junho sai finalmente o NOTAM que anuncia a presença de luzes na pista do aeroporto do Pico, estando portanto certificadas, começando a força aérea a utilizá-la para voos de treino durante a noite com os Aviocar.
Depois destes episódios nunca mais houve a necessidade de uma operação comercial nocturna e o tema caiu em esquecimento, muitos convencidos de que estava tudo resolvido.
Mas eis que finalmente é preciso vir de novo ao Pico de noite por causa de atrasos de ordem técnica, e afinal a SATA ainda não o pode fazer. Já há algum tempo que tinha dúvidas sobre este assunto, mas cá está a confirmação do pior cenário. Passou um ano desde que se reclamou pela primeira vez. Porque é que a SATA ainda não pode vir ao Pico de noite? Não houve tempo de sobra para todos os procedimentos necessários? Qual é a desculpa desta vez?
Têm me dito que as tripulações terão de ser certificadas para o efeito, e que a companhia tem de criar os seus procedimentos para cá vir de noite. Não sei se será isso, ou só isso, mas de qualquer forma parece-me mal que ainda não se tenha feito tudo o que é preciso.

18 dezembro 2007

Mau tempo!

O Inverno está aí a chegar e estes últimos dias têm demonstrado isso mesmo.
Hoje o tempo esteve particularmente mau em todo o arquipélago obrigando a SATA a cancelar vários voos.
Deixo aqui os piores METAR do dia dos aeroportos que os emitem para a internet

LPAZ 181700Z 35034G50KT 8000 FEW005 BKN016 FEW020CB 14/12 Q1000

LPFL 181430Z 35022G32KT 9999 SCT020 14/05 Q1017

LPPD 181700Z 02022G44KT 340V040 7000 -SHRA BKN016 FEW020CB 15/10 Q1002

LPLA 181300Z 33032G53KT 9999 VCSH SCT018 FEW020TCU SCT035 14/07 Q1008 BLU/BLU

LPHR 181530Z 35033G50KT 9999 SCT013 SCT035 15/07 Q1009

Não é todos os dias que se vêm 50 nós num METAR, quanto mais em três ilhas diferentes durante uma tarde!

07 dezembro 2007

Transmaçor muda o horário de domingo

Do site da Transmaçor:

"A TRANSMAÇOR informa que a partir do próximo dia 09 de Dezembro, inclusive, a viagem das 09:00 horas Horta - Madalena 09:45 Madalena - Horta, aos domingos e feriados, será antecipada para as 07:45 e 08:30 horas, respectivamente.

Esta alteração deve-se ao facto da TAP ter alterado o horário do voo Horta – Lisboa."


26 novembro 2007

Pico mais uma vez sem voos de reforço

Parece que já toda a gente diz que 1 voo semanal para o Pico não serve a ilha, mas a verdade é que o tempo vai passando e as coisas teimam em não mudar.
Mais uma vez, nesta época natalícia, o Pico fica de fora dos voos de reforço. Esta situação é compreensível do ponto de vista estatístico, que é o factor determinante quando se programam este tipo de voos, mas não se percebe porque é que passados já dois anos com ligações directas do Pico a Lisboa no Natal ainda não temos direito a reforços, e ninguém tenha chamado a atenção para isto.
Se bem quem os números não o mostrem, (afinal nunca se fez essa estatística), são muitos os Picarotos a utilizar estes voos de reforço para o Faial, especialmente estudantes, e é pena que ninguém tenha ainda tentado mostrar estes factos ás companhias aéreas. Um voo no sábado no começo das férias e outro no domingo do fim serviria muita gente, e nem chega perto dos 9 voos de reforço que a TAP vai fazer para o Faial entre 15 de Dezembro e 4 de Janeiro. No entanto temos um voo no dia 25 (calha a uma Terça), dia em que a SATA Air Açores nem voa.
Ou seja, sabemos que fazer uma alteração nos horários de uma frota tão grande é complicado, mas no contexto dos voos de reforço pedimos um bocadinho de bom senso para com as gentes do Pico e 2 voos extra que dificilmente andariam vazios, basta ver o exemplo do ano passado em que as férias acabaram na terça dia 1.
Se bem que este ano já devemos ir tarde para uma mudança, fica aqui a chamada de atenção para que no próximo ano possa ser diferente.

09 novembro 2007

Mais uma vez a ampliação da pista do Faial...

Com a falta de outros argumentos válidos, os políticos da Ilha do Faial andam agora a distorcer notícias de modo a tornar aparente a necessidade urgente de ampliação da pista desta ilha por suposta falta de segurança.
Quando a necessidade de voos directos para o continente americano falhou como razão para justificar um aumento da pista da Horta, vem-se agora recorrer à insegurança das operações para justificar o investimento. Até parece a política de medo americana, instaurar o terror na opinião pública para que se possam gastar fundos em coisas que de outro modo seriam impensáveis.
A operação na pista da Horta é tão segura como em qualquer outra, o que pode existir, e neste caso existe, são restrições que têm de ser levadas em conta.
Uma restrição que acontece em todo o lado mas é particularmente importante em pistas curtas, é que um avião precisa de mais espaço para parar se a pista estiver molhada, e assim terá de operar de forma a garantir uma aterragem segura na pista disponível, o que implica por exemplo aterrar mais leve se a pista não for longa o suficiente. Foi o que aconteceu recentemente com o SATA Internacional que teve de deixar bagagem atrás e cuja a notícia reacendeu a reivindicação pelo aumento da pista.
Na minha opinião qualquer argumento para a ampliação da pista da Horta que tenha por base uma pista insegura porque é curta, é à partida invalidado pelo recente projecto de ampliação da pista do Pico, que revelou necessária para a operação dos A320 num voo até Lisboa sensivelmente o mesmo comprimento de pista disponível no Faial, a não ser que me estejam a dizer que quem projectou a pista do Pico projectou uma pista insegura, e por conseguinte, também precisa de um aumento.
A verdade é que estas pistas são curtas e como tal impõem restrições na operação das aeronaves, mas são curtas porque se fazem estudos de custo beneficio, que provavelmente darão como muito dispendiosa a construção de uma pista maior dados os benefícios de operacionalidade que daí resultariam, porque convém realçar a segurança nunca está em causa, apenas a operacionalidade.
Assim, do ponto de vista operacional, todos os aeroportos deveriam ter pistas grandes o suficiente para garantir a operacionalidade do maior avião que lá opere sem restrições com as mais variadas condições meteorológicas, e do ponto de vista económico deverá ter a pista mais pequena possível para que se gaste o mínimo de dinheiro possível e ainda assim garantir a operação de um determinado avião.
Mais uma vez, como vemos no exemplo da pista do Pico, nos Açores, opta-se pelo mais pequeno possível. Pergunto-me então porque hão de ser os Faialenses descriminados positivamente nesta matéria, com a agravante de uma ampliação naquele local ser bastante mais cara do que fazer o mesmo no Pico, onde mesmo assim já se optou pela solução menos dispendiosa?


26 outubro 2007

Nada de novo?

Estava à espera de mais algumas novidades no que toca ao aeroporto do Pico por causa da visita do Governo Regional. Afinal apenas se disse que o segundo voo semanal vai ter um período alargado, mas não se sabe exactamente por quanto tempo, nada de novo se acrescentou sobre a possibilidade lançada por Duarte Ponte da mudança do voo para a Sexta, sabe-se que o processo para a disponibilização de combustível está em andamento, mas não se sabe para quando estará concluído, nem foram dadas garantias que logo após a sua conclusão os voos deixarão de escalar a Terceira. Mais notícias sobre as ligações com Lisboa ficam adiadas assim para quando sair o concurso público que tem de ser revisto para 2008, mas as expectativas já não são tão boas como eram após a última sessão do plenário açoriano, quando o segundo voo semanal durante todo o ano parecia já ao nosso alcance em 2008.
A única notícia interessante destes dias veio da IV bienal do turismo rural atlântico, onde se falou na introdução, em breve, de uma nova rota para a SATA Air Açores, um voo directo Pico S. Jorge, todos os dias durante todo o ano. Mas, há sempre um mas, também não sabemos quando é breve e quais serão as características desta ligação, porque se é o voo Terceira - Pico que passa a fazer Terceira – S. Jorge – Pico e volta, também não ganhamos nada.

16 outubro 2007

Voem pelo Pico

Várias têm sido as vozes a criticar o horário de Inverno do voo Horta-Lisboa, chegando mesmo a o acusar de prejudicar propositadamente os Picarotos.
Quando alguém está a planear os horários de uma frota de 44 aviões deve estar mesmo a pensar nos habitantes de uma ilha para onde um voo que está a planear nem sequer vai! Deve ser o seu plano maléfico para conquistar o mundo…
O voo da Horta, para a TAP, é o voo da Horta, ponto final. Isto é quase como aquela história do passageiro que fica na Horta retido, porque o seu voo chegou mais tarde, e quer uma indemnização por não ter chegado ao Pico! Olhe bem para o seu bilhete, o destino é Horta, não Pico! A verdade é que nos temos servido da conveniência dos voos directos para a Ilha vizinha, e ainda bem que assim foi, mas nos tempos que correm com a possibilidade dos directos para o Pico também, há que mudar de comportamento para que os voos possam mudar também.
Temos de tentar ver um lado positivo na situação, e neste caso será a oportunidade de provar que sem os passageiros do Pico os voos da Horta também não enchem. Isto porque por mais que se diga ás pessoas que façam um esforço por voar pelo Pico porque o que conta para quem toma as decisões são as estatísticas, toda a gente continua a ir pelo Faial. Há dias que não há hipótese para quem tem autocarros para apanhar, etc, mas já embarquei para o Pico via Terceira em Lisboa com muitos mais Picarotos conhecidos na fila do check-in para a Horta, e porque não tive de apanhar a lancha cheguei lá primeiro. Qual é a desculpa nestes dias? São os euros extra da taxa de aeroportos o entrave em voar pelo Pico? Não é só dizer que são precisos mais voos, por natureza não haveriam quaisquer voos sem procura, a nossa sorte ainda é estas serem rotas reguladas. Acredito que há muitas pessoas do Pico a voar pelo Faial, mas isso sou eu que sou Picaroto, a todos os outros é preciso provar isso. Eis uma oportunidade para começarem a voar pelo Pico, mesmo que tenham de ser forçados para começar, e sim pode dar origem a alguns sacrifícios a curto prazo, mas os benefícios futuros valerão a pena.

Ainda voltando ao tema dos horários, ainda se diz que a TAP tem que acertar os seus pela Transmaçor. E porque não o contrário, sendo a Transmaçor quem de facto está a servir Pico e Faial, e a quem uma alteração envolveria uma operação logística de bem menor escala?

12 outubro 2007

Ir ao Pico

Para quem não viu, passou na SIC uma reportagem de cerca de 10 minutos sobre o Pico, que penso valer a pena ver.

http://sic.sapo.pt/online/noticias/sic+tv/ir/20071012+-+Ir+ao+Pico.htm

02 outubro 2007

Horários de Inverno

No horário de Inverno dos voos para o Pico não existem grandes mudanças excepto no voo da manhã de sábado que dava ligação a Lisboa para as equipas desportivas, que para já desaparece.
A maior diferença este ano é nos voos da TAP para a Horta, que vão partir quase 2 horas mais cedo. Passam a sair de Lisboa ás 8:00 com chegada à Horta ás 9:40, e têm saída prevista para as 10:30 chegando a Lisboa ás 13:55.
Esta pequena diferença vai afectar os Picarotos que costumam voar ao domingo para Lisboa via Horta, uma vez que ao domingo a primeira ligação da transmaçor chega à Horta ás 10:15.
Os voos da SATA Internacional para a Horta, à quarta e sábado, mantêm o horário do ano passado e os dias sem voos directos são também os mesmos, terça e quinta.




20 setembro 2007

Combustível e segunda frequência em 2008

Esta última sessão do parlamento Açoriano trouxe boas notícias para o aeroporto do Pico.
Primeiro ficámos a saber que o processo para a instalação de combustível, embora atrasado, não está parado, estando em fase de licenciamento, com conclusão prevista para o verão de 2008.
No que toca ao número de voos, Duarte Ponte disse que vai tentar a inclusão de um segundo voo semanal nas obrigações de serviço público, cuja revisão entrará em vigor também em 2008. Resta saber se o Governo da República não colocará entraves a esta segunda frequência. Além disso pretende que caso se mantenha a única ligação por mais um ano, incluir a obrigação de a mesma ser a um dia escolhido pelo governo e não no que der mais jeito à TAP, que pode não servir as populações, como acontece agora à Terça.
Ainda sobre os voos para Lisboa, de referir que a TAP utilizará durante este Inverno o A319, com menos 24 lugares que o A320.
Durante a discussão falou-se ainda na qualidade do sistema de sinalização luminoso da pista. De facto parece ser bom e conforme as recomendações ICAO, o problema é que o INAC ainda não certificou o aeroporto do Pico para operações nocturnas. Sim, já saiu um NOTAM a dizer que estão lá as luzes, mas isso por si só não permite o tráfego comercial nocturno. Veremos se este processo está concluído antes que este Inverno provoque mais cancelamentos devido ao Por do Sol...

06 setembro 2007

Descubra as diferenças

Deixo-vos aqui 3 fotos, de 2002, 2004 e 2007 na aproximação final à pista 09 (ainda era 10 na primeira)

05 setembro 2007

Aeromodelismo no Pico

Tenho de admitir que estas férias têm sido bastante boas, e no que toca aos aviões foram bem preenchidas com o aeromodelismo aqui no Pico, com a aquisição de mais um planador pelo meu primo e a ajuda do Marcus, que com a sua experiência nos ajudou a modificar alguns modelos e a partir menos aviões agora que já tínhamos alguém com quem apreender manobras mais avançadas.
A ideia era colocar aqui umas fotos, mas esse trabalho já foi feito pelo José Melo. Assim aqui fica o link para o blog dele, bem como o meu agradecimento por ter sido o fotógrafo de serviço: http://infomelo.blogspot.com/2007/09/aeromodelismo-picaroto.html

06 agosto 2007

Continua a ser mais caro voar para o Pico

Não é que eu já não tenha falado neste assunto, (arquivo Junho 2006) mas quando dizem mais uma vez que o Pico não precisa de mais voos porque os extra deste verão não encheram, parece que ainda é preciso falar muitas vezes no assunto para que toda a gente perceba a realidade destas ilhas.
Mais uma vez quem quer voar para o Pico neste verão têm duas escolhas, esperar por uma terça ou algumas quintas e voar directamente para o Pico, ou escolher a manhã ou a tarde para vir pelo Faial. Se isto não bastasse como motivo para se escolher o voo via Horta, ainda temos o problema de que para um não residente sai muito mais barato viajar pela Horta, as diferenças chegam a ser de mais de 100 euros por bilhete, pois como existe mais oferta pelo Faial, existem também mais bilhetes nas tarifas mais restritas e por isso mais baratas. Os lugares mais baratos para o Pico esgotam muito antes da data dos voos. E ninguém bom da cabeça abdica de 100 euros só para não fazer uma viagem de barco, ainda por cima de verão, quem sabe ainda se vê uns golfinhos e tudo...
Já são algumas pessoas que se aperceberam disto, mas aos manda chuva da TAP parece não interessar que bastantes passageiros para o Pico continuam a viajar pela Horta, e só pode ser assim porque continuamos mal servidos.

19 julho 2007

Férias e os Aviões



Não, não é no Pico, é em Lodz na Polónia, num aeroporto com pouco mais tráfego que o Pico, com uma placa de tamanho idêntico e uma aerogare ainda mais pequena, que há 3 anos começou a receber a Ryanair numa pista tão pequena como a do Pico, mas que entretanto cresceu para os 2500 metros de modo a responder ás verdadeiras necessidades dos 737-800 que são agora visitas diárias.
Não pude deixar de comparar os dois aeroportos e a obra neles feita a quando da minha visita, porque são de facto dois aeroportos que se relacionam na forma como há bem pouco tempo não recebiam mais do que ligações regionais e estão agora a começar a evoluir para novas rotas, embora de forma mais tímida no Pico, que não têm uma Ryanair a catapultar o número de voos.
Lodz é agora um aeroporto em expansão, com planos para se tornar numa altenativa a Varsóvia, estando para isso a dar ínicio à construção de um novo terminal, e deixará, então, de fazer sentido esta comparação, mas fica esta história de como uma companhia mudou um aeroporto, história que podia ser a do Pico também...
E lá se foi o Ryanair embora, e para ver coisas realmente diferentes, visitei o futuro museu de aviação de Lodz!


Mil Mi-6

Ilyushin Il-14


Tupolev Tu-134

Tupolev Tu-134 (cockpit)

E um monte de caças Russos para os quais o meu colega não encontrou os nomes todos!

11 julho 2007

Spotting no Pico VII

Terça feira é dia de TAP no Pico, mas desta vez até tenho a desculpa de ir busca um familiar para ir ao aeroporto tirar umas fotos.
O Primeiro foi o N340AT que já estava no Pico desde Domingo passado.



Depois chegou o CS-TNL de Lisboa



E o último a chegar foi o CS-TFJ, o "novo" da SATA Air Açores, que até devia ter sido o primeiro, mas atrasou um bom bocado. Esta foto não tem grande qualidade por causa das ondas de calor, mas mostra os efeitos do vento sul, com o ATP a aterrar quase a passar a taxiway A, que fica sensivelmente a meio da pista.



E assim ficou a placa composta!



Deixo ainda uma foto melhorzinha do TFJ no Pico e a descolagem em cerca de 1000 metros do A320 da TAP, que se vê na foto a passar o taxiway B.



27 junho 2007

Actividade vulcânica do Pico

Estão aí os exames e como não pode deixar de ser há que se inventar o maior número de desculpas possíveis para não estudar! Assim, numa deambulação pela net, encontrei por acaso uma tese de doutoramento sobre a actividade vulcânica na Ilha do Pico. Ainda só dei uma vista de olhos, mas está lá muita informação interessante sobre o assunto. Aqui fica o link: http://www.uac.pt/~jcnunes/

15 junho 2007

Liberalização das rotas para os Açores

Pelo que tenho lido e ouvido por aí, dá-me a impressão que muita gente não percebe muito bem as implicações que uma liberalização total das rotas para os Açores traz.
Seria muito lindo se fosse tudo tão simples como liberalizar as rotas e pronto, temos viagens mais baratas. Mas não é bem assim que as coisas funcionam, e para dar um exemplo basta ver a trapalhada em que nos tínhamos metido se a Air Luxor tivesse ficado com a rota para S. Miguel no tal concurso polémico. Muitos criticaram o Governo Regional por alegado proteccionismo à SATA em não aceitar a Air Luxor que traria alegadamente voos mais baratos por não pedir as indemnizações compensatórias, mas a verdade é que quando lhe deu na gana a Air Luxor simplesmente deixou de voar para a Madeira sem grandes explicações, mesmo estando abrangida por obrigações de serviço público. Imaginem o que não teria sido se não tivesse que prestar contas a ninguém ao voar nos Açores sem indemnizações. E o mal não foi pior neste caso porque para a Madeira voam outras três companhias...
O serviço aéreo para os Açores não é um privilégio, é uma necessidade, e como tal não seria bom ter uma companhia do estilo Ryanair a fazer este serviço. É verdade que os preços são baratos, mas além do bilhete há que pagar 6 euros por cada peça de bagagem, que se exceder os 15kg ainda são mais 8 euros por cada quilo extra! Se quiser comer a bordo paga, se quiser mudar a data da viagem paga, basicamente tudo o que um passageiro Açoriano toma como garantido quando compra um bilhete para o continente é considerado um extra e a palavra-chave aqui é paga! Talvez até fosse bom para os turistas, que apareceriam em massa, mas, na minha opinião, também não deve ser este o objectivo do turismo Açoriano. O importante aqui é que no fim de contas quem perde é o Açoriano que é quem realmente precisa de utilizar o avião por necessidade porque deixa de ter muitas regalias a que está habituado, para além dos comerciantes que ficam sem garantias no transporte de carga, também abrangido pelas obrigações de serviço público. Além disso companhias deste tipo só fazem reservas de ponto a ponto, ou seja não há Lisboa - Terceira - Graciosa para ninguém, quem tiver de ir para uma ilha onde não existam voos directos paga outro bilhete.
Este é um dos maiores pormenores que convém não esquecer! Somos 9 ilhas. Um passageiro das Flores tem o direito de pagar o mesmo que um passageiro de S. Miguel para chegar a Lisboa, e isso só é possível devido ás obrigações do concurso público.
Claro que uma redução nos preços seria bom, mas temos que compreender que as coisas não são assim tão fáceis. Não temos um óptimo serviço, mas as coisas podiam ser bem piores. Estamos a evoluir devagarinho e já temos muitos voos charters que não existiam há alguns anos atrás. Mesmo na Madeira, que são só duas ilhas com muito mais voos que nós, só agora se começa a falar a sério numa liberalização completa das rotas para Lisboa. Será bom vermos o seu exemplo, tirar boas lições dos resultados e adaptarmos soluções para os Açores, não devemos ficar parados neste modelo, mas a liberalização completa não é para já a solução.

04 junho 2007

LPCV-LPPR-LPAV-LPCO-LPCV

Outra razão porque digo que ontem foi um dia interessante é porque fui convidado para um voo sem destino certo, apenas com a intenção do piloto de fazer mais umas horas de voo para puder chegar a uma companhia aérea
Como ele é que tinha o avião veio ter connosco à Covilhã onde almoçámos antes de sair. Lá pelas 14:30 estávamos então no aeródromo e decidimos ir ao Porto tentar fazer uma aproximação por ILS, depois descer pela linha da costa até à Figueira da Foz, ir até Coimbra reabastecer e finalmente voltar à Covilhã.
Saímos pelas 15:05 com direito a passagem pela cidade antes de seguirmos para Coja, o primeiro ponto de referência que definimos.

Pouco antes de Coja ainda nos cruzámos com uma aeronave que vinha para a Covilhã apenas 500 pés acima, o que teria dado umas boas fotos não fosse a máquina decidir não focar! De Coja prosseguimos directos a Sever do Vouga, só porque um dos passageiros é de lá e queria ver a casa, e daí para o Porto. Quando passámos para a aproximação do Porto perguntámos se seria possível a tal aproximação por ILS, mas a pista em uso era a 35 e não nos foi concedido o desejo, que depressa também mudámos para uma VOR/DME à 35 com passagem baixa, que foi autorizada desde que esperássemos 20 minutos pela aterragem de um Portugália. Assim fizemos, não íamos desperdiçar uma passagem no Porto por 20 minutos de voo quando o propósito era mesmo esse, fazer tempo de voo! Já na final, quando um nikki pediu o taxi e a torre perguntou se estava pronto para a partida, estávamos a ver que a passagem ia ficar para outro dia, mas ele precisava de mais 2 minutos e nós já estávamos mesmo a chegar!

Depois da passagem no Porto subimos para 1000 pés e começámos a descer a linha de costa. Passámos por Ovar e pedimos ainda mais baixo, 500 pés por cima da praia até Aveiro onde subimos para a altitude de circuito e fizemos mais uma passagem baixa!


Daqui voámos para a Figueira da Foz, onde deixámos a praia para seguir directo a Coimbra, o único aeródromo onde encontrámos mais algum tráfego no circuito nesta Segunda Feira.



Reabastecemos o avião e depois de uma pausa no café regressámos então à Covilhã. Foram as 3:30 de voo que passaram mais depressa da minha vida!


Para finalizar, agradeço mais uma vez ao Tiago pela oportunidade!

Nevoeiro no Faial

Hoje foi um dia bastante interessante! A meteorologia decidiu fazer das suas e o Faial passou o dia coberto em nevoeiro. O mesmo se passou na costa sul do Pico, mas como o vento era também de sul, o escoamento do ar em torno da montanha proporciona um fenómeno peculiar, de forma a que a zona do aeroporto do Pico mantêm-se relativamente limpa.
Isto mesmo permitiu que o voo da TAP para a horta, que foi cancelado, fosse remarcado para o Pico. Apesar do contrário já ter acontecido algumas vezes, é a primeira vez que foi dada a oportunidade aos passageiros de Lisboa para a Horta de chegarem a casa no mesmo dia através do Pico, um bom sinal que a complementaridade destes dois aeroportos em dias de mau tempo existe, e deve, na minha opinião, ser melhor aproveitada.
Quanto aos voos da SATA, só chegou ao Faial o Dornier que fazia a ligação para o Corvo. Alguns dos restantes voos vieram também para o Pico.
A visibilidade reportada no METAR da Horta chegou a ser de 50 metros com a visibilidade vertical nula, e durante o dia, com excepção do fim da tarde, nunca o tecto esteve acima dos 400 pés! È realmente impressionante que a umas milhas ao lado as condições estavam boas o suficiente para se aterrar com uma aproximação por NDB com mínimos de 1000 pés!

31 maio 2007

Luzes da pista do Pico

A meio de Abril saiu a notícia que as luzes da pista do aeroporto do Pico estavam finalmente certificadas, mas no fim de contas, passado um mês e meio, ainda não se pode operar depois do por do sol. Isto porque, a ser verdade que as luzes estão certificadas, o certo é que tal não foi publicado em NOTAM. Assim, oficialmente, as luzes não existem e os pilotos continuam a não poder operar de noite no Pico.
Será isto mais um atraso burocrático do nosso Instituto Nacional da Aviação Civil? Ou algo pior? Na altura que as luzes fizeram falta e apareceram várias queixas, prontamente apontaram a causa do atraso da certificação a algum equipamento defeituoso. Pouco tempo depois anuncia-se a sua certificação e o assunto cai no esquecimento, até porque no Verão raramente existe a necessidade de se operar no Pico para além do por do sol, e a coisa passa despercebida, mas será que no próximo Inverno ainda vamos ter este problema por resolver?

28 maio 2007

ILS no Pico

Depois de já terem começado as operações de movimentações de terras para a instalação do ILS no aeroporto do Pico, sai agora o concurso público internacional para o fornecimento, instalação e calibração de um sistema ILS/DME e dos respectivos sistemas de telessinalização e telecontrolo.
O anúncio foi enviado para publicação a 21 de Maio e no concurso está ainda incluído a reformulação das luzes de aproximação da pista 27, encurtando a distancia entre as luzes de 60 para 30 metros, o treino do pessoal e ainda um sistema de telesinalização e telecontrolo para o aeroporto da Horta, de onde se pode concluir que não se espera para breve que o Pico venha a ter uma verdadeira torre, daí a necessidade do sistema ser monitorizado pela torre da Horta.
Já tinha sido anunciado que o ILS do Pico estaria a funcionar em 2008, e com a publicação deste anúncio não há razões para que tal não aconteça.

27 maio 2007

CS-TFJ

Esta é a matrícula do "novo" avião da SATA Air Açores. Como já tinha sido anunciado, a SATA vai ter mais um ATP ao seu serviço durante o verão para colmatar a saída do avião que está agora baseado na Madeira.
Este ATP tem o número de construção 2018, foi portanto o precedente do TGL na linha de montagem, já foi pintado nas cores da SATA em Southend na Inglaterra, e deverá chegar aos Açores na próxima semana.

15 maio 2007

SATA Air Açores fica na Madeira por 3 anos

Não é novidade mas agora é oficial. A SATA Air Açores foi dada como vencedora do concurso público para as ligações entre a ilha da Madeira e Porto Santo, por um período de três anos.
Para já esta nova aposta da SATA parece ter vindo atrasar a decisão na mudança da frota que estava prevista para o começo de 2º trimestre deste ano. Também deverá ser adicionado mais um avião à sua frota, pelo menos durante o período de verão para fazer face ao aumento de tráfego inter ilhas nesses meses.
A SATA também já disse que pretende rentabilizar o avião que têm agora estacionado na Madeira realizando outros voos, como por exemplo para as Canárias.

11 maio 2007

Spotting no Pico VI

Isto anda muito parado, decidi colocar mais umas fotos, tiradas nas férias da Páscoa, para que se passe alguma coisa!

E, para finalizar, um spotting diferente, estou eu a pilotar e a foto é do José Melo!

18 abril 2007

Luzes já estão certificadas

No Jornal Ilha Maior do dia 13 de Abril vêm noticiada a certificação da iluminação da pista do Pico por parte do INAC. Esta certificação vem finalmente permitir a operação de voos nocturnos, mas na verdade ainda há coisas a fazer na vertente operacional. O aeroporto do Pico fica situado no sopé de uma montanha, como tal têm algumas limitações, e, por causa desta morfologia de terreno envolvente, é de todo o interesse para a segurança da sua operação a publicação de procedimentos de descolagem em condições de visibilidade reduzida. Até há pouco tempo o Pico era um aeroporto que só podia acolher tráfego segundo as regras de voo visual, mas agora que tem uma aproximação por instrumentos publicada já pode também receber voos sob as regras de voo por instrumentos, ou seja, em condições de má visibilidade e de noite. Faltam assim os procedimentos de partida por instrumentos, que embora não sejam obrigatórios, caso não existam a responsabilidade de assegurar a separação necessária com o terreno passa unicamente para os pilotos, são uma mais valia para a segurança das operações, e sempre seria menos uma ponta por onde pegar!

Uma vez que já que falei da aproximação por instrumentos, à que lhe apontar uma grave deficiência que já foi mencionada neste blog. Existe um NOTAM ( NOtice To AirMen) a avisar os operadores que a aproximação não garante a segurança das operações abaixo de 2000 pés porque entra-se em espaço aéreo não controlado, o que implica que, embora seja bastante improvável dada a nossa realidade, pode lá estar a voar uma aeronave sem ter contacto com o controlo aéreo. E diz também que é preciso ter atenção ao funcionamento da rádio ajuda em que se baseia o procedimento dado que o seu estado não é monitorizado na torre da Horta, embora o seja no Pico.
Estes problemas resolvem-se com a criação de uma verdadeira torre no Pico, e não um serviço de informação de aeródromo como actualmente existe, pois o espaço aéreo em redor do aeródromo mudaria de estatuto. Ainda temos problemas piores como a falta de combustível, mas também é bom que não se pense que depois deste chegar fica tudo resolvido, ainda há coisas a melhorar, e esta mudança de categoria dos serviços da torre do Pico é das mais importantes e difíceis batalhas a vencer.

06 abril 2007

Velhas notícias?

No site do Governo Regional pode ler-se a seguinte notícia:

" Governo aprovou plano da SATA para investimentos de 11 milhões de euros em aeródromos

O Governo Regional aprovou um plano de investimentos da SATA - Gestão de Aeródromos, SA, que prevê a aplicação de 11 milhões de euros na realização de obras e aquisição de equipamentos para as estruturas aeroporturárias das ilhas do Pico, S. Jorge, Graciosa, Flores e corvo.

O documento, aprovado no Conselho de Governo de terça-feira, contempla, nomeadamente, a compra de viatura follow me para os aeroportos do Pico, S. Jorge e Graciosa, a instalação de ILS (Sistema de Aterragem por Instrumentos) no Pico, a aquisição de uma viatura de combate a incêndios para a Graciosa e a construção do parque de estacionamento do aeródromo de S. Jorge, bem como a aquisição de uma ambulância para este último. "

À primeira vista parecem excelentes notícias, mas o que acho estranho é que todas as obras e aquisições previstas já constam na Resolução do Conselho do Governo n.º 186/2005 de 24 de Novembro de 2005 que aprova o plano de exploração da SATA Gestão de Aeródromos para 2005/06. Afinal as obras de movimentação de terras para a instalação do ILS já começaram à pouco mais de uma semana!

E com todos estes atrasos e burocracias fico é cada vez mais preocupado com o combustível, porque em Fevereiro de 2006 já se falava oficialmente no ILS para o Pico no plano regional anual, mas até agora não se sabe nada palpável sobre o combustível, que considero ser mais urgente que o ILS para o bom desenvolvimento do nosso aeroporto. Sem combustível somos dependentes de uma escala, reduzindo as hipóteses de mais voos, sem mais voos não há interesse comercial em investir na instalação do combustível...

28 março 2007

Não há mais voos extra da TAP este verão?

No ano passado a TAP fez 4 voos extra para o Pico em Julho e Agosto, dando a ideia que afinal o destino Pico não era encarado como sendo apenas uma obrigação inerente ao mesmo concurso que lhe permite voar para S. Miguel.
Depois disto chegou-se a falar que este ano teríamos direito a 2 voos semanais durante os mesmos meses, e na altura não duvidei que assim fosse, mas estamos a entrar em Abril e ainda não existe qualquer referência a voos extra nos site da TAP ou no amadeus, o que me deixa desconfiado uma vez que o verão IATA começa em Abril e as companhias não costumam deixar estas questões para a última hora. Além do mais em 2006 já se tinha conhecimento dos 4 extras em finais de Fevereiro.
Mas não há problema, afinal de contas temos sempre os 2 voos diários da Horta para nos safar...
Com sorte ainda estou enganado, mas à medida que o tempo passa vai ficando mais difícil que assim seja...

13 março 2007

SATA Air Açores continuará na Madeira

A abertura das propostas ao concurso para as ligações aéreas entre a Madeira e Porto Santo decorreu ontem no INAC, e ao contrário do que se dizia, verificou-se que a SATA Air Açores foi a única companhia a concorrer a esta ligação. Embora a SATA ainda não tenha sido anunciada oficialmente como vencedora, tudo indica que ficará com a rota, uma vez que a sua proposta cumpre com o caderno de encargos e foi a única apresentada.
O resultado deste concurso será válido por 3 anos, e com a confirmação que será a SATA a ganhar espera-se que a sua frota seja reforçada com mais 1 ATP que ficará dedicado à nova rota, e poderá ainda voar entre a Madeira e as Canárias para ajudar a sua rentabilização, possibilidade que já tinha sido adiantada por António Cansado numa entrevista recente.

04 março 2007

Snowboard

Mais uma vez fomos à neve. Desta vez na Covilhã, mas tivemos azar porque não era muito abundante... Vendo bem também somos uns principiantes, por isso não precisamos de muito para fazer uma festa, e bastou um cantinho de neve mais uma mini rampa feita à pressa para nos entreter durante a tarde! http://www.youtube.com/watch?v=h7bF7R5kLR0
As fotos também ficaram bem melhor que o nosso snowboard e assim aqui ficam algumas.



18 fevereiro 2007

Aterragem ventosa

Ontem decidi ir ver se o novo NDB já estava instalado, e aproveitei para faze-lo perto da hora do voo mesmo pensando que ia cancelar. Mas afinal o avião veio, e a aterragem foi interessante! Dizem que uma imagem vale 1000 palavras por isso fica aqui o vídeo, embora deva dizer que ao vivo foi mais impressionante do que o vídeo consegue mostrar.

15 fevereiro 2007

Neve no Pico!

Na noite passada nevou no Pico como já não nevava há alguns anos! Só descobrimos isso ás 10 da manhã quando decidi olhar pela janela para ver como estava o tempo, e percebi que havia neve até abaixo da furna.
O meu irmão tinha uma snowboard por estrear e não podíamos deixar passar esta oportunidade de a testar. Passados 10 minutos já estávamos a caminho da casa da montanha. As fotos falam por si...










12 janeiro 2007

Ainda as taxas de combustível

E depois de a SATA ter anunciado que as suas taxas seriam de 10 euros eis a resposta da TAP:

" A TAP anunciou que reduziu para cinco euros por percurso a taxa de combustível para as regiões autónomas, em virtude de no último trimestre do ano o preço dos combustíveis no mercado internacional ter sofrido um agravamento menor.

Em comunicado a companhia refere que “esta decisão resulta da aplicação dos princípios estabelecidos que prevêem uma actualização trimestral em que é considerada a evolução do trimestre anterior do câmbio médio USD/Euro e do preço médio do barril em USD”.

Em Novembro passado a companhia anunciou a intrdução de taxas de combustível, de 10 euros por percurso, ou seja, 20 euros ida-e-volta."

Que ladrões! Se a SATA não tivesse anunciado taxas mais baixas queria ver o que faziam, afinal de contas só baixaram as taxas para os Açores e Madeira, para todos os outros voos parece que o combustível não desceu...


08 janeiro 2007

Taxas de combustível

Depois de no fim do ano passado a TAP ter aplicado uma taxa suplementar de 20 euros ao bilhete de ida e volta ao Continente Português é agora a vez da SATA aplicar uma taxa semelhante de 10 euros, que tem por desculpa os elevados preços do combustível.
Pessoalmente sou contra este tipo de taxa, uma vez que mesmo assim as companhias aéreas não param de se queixar dos elevados preços do petróleo. Se está caro mas aplicam uma taxa sobre ele não têm mais que se queixar e desculpar qualquer problema financeiro com o preço do combustível.
Na prática estamos perante um aumento da tarifa, apenas lhe dão outro nome, o que até dá jeito no caso das ligações com os Açores, que têm os valores das passagens fixados por concurso público.
A diferença de 10 euros entre as taxas da TAP e SATA é que é intrigante, depois da TAP ter anunciado o aumento já todos esperavam que mais tarde ou mas cedo a SATA fosse atrás, mas os 10 euros a menos parecem dizer que estamos perante a primeira guerra de preços entre estas duas companhias. A partir de hoje sai 10 euros mais barato ir a Lisboa na SATA, ainda que as tarifas se mantenham, por lei, as mesmas! Então o combustível não estará da mesma forma caro para as duas transportadoras? Aliás a TAP por ser de maior dimensão tem mais possibilidades de ter um melhor acordo com as petrolíferas que a SATA! Nunca se fez verdadeira concorrência e agora ela aparece através das taxas? E quem perde é sempre o consumidor, porque mesmo a pagar a mais barata, já está a pagar mais caro.
Sempre se teve que pagar taxas e a maior parte delas são necessárias, mas não venham com publicidades enganosas e aumentos dissimulados em novas taxas inventadas à medida de cada mal porque todos nós já pagamos o alto preço do petróleo.

03 janeiro 2007

Viagens atribuladas!

São Pedro não deve andar muito contente com os estudantes porque mais uma vez, no regresso ás aulas, decidiu brindar-nos com mau tempo neste começo de ano!
Já na Segunda dia 1 começaram os cancelamentos, entre eles 1 dos voos Lisboa Horta, que teve o azar de chegar mesmo na altura em que o aeroporto se via tapado por nuvens baixas. Pior que isso foi a TAP não ter conseguido realizar um voo extraordinário em substituição desse, distribuindo os passageiros por lugares vagos em voos seguintes, o que obrigou alguns a esperar por Quarta dia 3 para chegar a Lisboa.
Nesse dia cancelou também o último voo da SATA ao Pico, por um misto de avaria técnica com meteorologia e, mais uma vez, a chegada da noite!
No dia 2 era a minha vez voar! Já estava à espera de um dia longo, mas não adivinhava o que se passou! O meu percurso seria Pico – Lisboa com escala na Terceira, era a primeira vez que este voo à Terça me ia servir para voltar aos estudos. O tempo estava como previsto deixando adivinhar o cancelamento do voo e foi com espanto que vimos o A320 da TAP na aproximação final à pista do Pico, mas nos últimos instantes antes da aterragem uma rajada oportuna obrigou os pilotos a abortar a aproximação. Ainda tentaram de novo, mas o tempo estava de facto mau e divergiu para a Terceira.
Já pensava que agora só na Quarta, mas afinal, numa jogada interessante das operações que gostaria de ver mais vezes e até no sentido inverso, mandaram o avião ao Faial deixar os passageiros que vinham para o Pico e esperaram que os do Pico chegassem ao Faial para aí embarcar até Lisboa. Já não apanhei ligação para a Covilhã nesse dia, mas estava em Lisboa, e assim nem perdi metade das aulas de Quarta.
Menos sorte tiveram os passageiros dos voos SATA retidos no Pico, pois os seus voos não se realizaram, incluindo as 3 viagens extra programadas para o Dornier, que faria a vez de um ATP, emprestado à Madeira, cuja falta se fez sentir ainda mais quando uma avaria noutro obrigou ao cancelamento de mais voos inter ilhas.
Hoje, Quarta feira, a situação dos voos ainda não está completamente normalizada, mas com o fim do pico das viagens natalícias e o retorno ao escasso tráfego de Inverno não tardará a voltar tudo ao costume, embora amanhã ainda estejam programados 4 voos para o Pico.

P.S.: Podem ver um pequeno video da primeira aproximação falhada ao Pico em: http://asasdosacores.net/galeria/index.php?id=4&file=231