22 junho 2006

Voos quase cheios tornam voar para o Pico mais caro.

Como sabem todos os residentes nos Açores tem direito à tarifa de residente quando viajam de avião, sendo essa tarifa fixa por lei, mas o mesmo não acontece com as tarifas aplicadas a todos os outros passageiros, e normalmente as companhias aéreas vendem os primeiros lugares mais barato do que os últimos, quando já falta pouco para encher o avião, de modo a maximizarem os seus lucros, daí a vantagem de se reservar com antecedência.
Acontece que mais uma vez o Pico é penalizado por este facto, por ter poucos voos, senão vejam a experiência que fiz no site da TAP.
Escolhi as duas últimas de semanas de Julho para fazer um teste e saber quanto me custaria um voo Lisboa Pico se não fosse residente, e nessas duas semanas tenho disponíveis para o Pico voos nos dias18, 20, 25 e 27, ou seja há também um voo na Quinta-feira como já foi anunciado.
Pelo percurso Lisboa Pico teria de pagar, não incluindo taxas, 220 euros no dia 18, 134 euros no dia 20 e 176 euros nos dias 25 e 27. Para o regresso pagaria 176 euros nos dias 18 e 20, 220 euros no dia 25 e 92 euros no dia 27.
Isto é assim porque como são poucos voos já estão quase cheios, e é normal que se venda primeiro os lugares disponiveis para as tarifas mais baixas, no caso dos dias a 220 euros está-se a pagar mesmo classe executiva, pois já só existem lugares nessa classe.
Mas se analisarmos os voos na mesma semana para a Horta vemos muitos voos ainda com tarifas de 92 e até 77 euros disponíveis, e nos mesmos dias em que há voo para o Pico estão disponíveis para o voo Lisboa Horta tarifas de 111 euros no dia 18, e 92 euros nos dias 20, 25 e 27, e para o voo Horta Lisboa estão disponíveis tarifas de 77 euros nos dias 18, 20 e 25 e de 92 euros no dia 27. Isto é possível porque com mais voos há ainda mais lugares por reservar, e portanto tarifas mais baixas.
Coloque-se agora na pele de um turista que até quer voar para o Pico. Depois de verificar as tarifas claro que voaria pela Horta, pois nos dias com voo pelo Pico sai muito mais barato voar pela Horta. O dinheiro que poupa dá de resto para o táxi e viagem de barco!
E com as coisas desta maneira temos que esperar por mais passageiros para termos mais voos? Os voos são necessários já, nem que seja um desvio de um dos dois diários da Horta que faça um LIS-PIX-HOR-LIS. Claro que de Inverno as coisas são diferentes, mas os 5 voos extra que a TAP vai realizar para o Pico durante todo o verão são manifestamente poucos.

18 junho 2006

Aumento da pista do aeroporto da Horta II

Volto a falar neste assunto porque encontrei mais um documento que apoia a minha opinião que dei a conhecer no primeiro post com o mesmo título.
É um requerimento de informação ao Governo Regional dos Açores que pode ser consultado em http://base.alra.pt:82/4DACTION/w_pesquisa_registo/4/1394 , onde na resposta se lê que em estudos feitos pela ANA, e em relação a uma ampliação da pista do aeroporto da Horta em 275 metros, se estima ser necessário um investimento de entre 15 a 35 milhões de euros.
Mas estes 275 metros são insuficientes para que sejam possíveis os tais voos charter para a América do Norte, que requerem um aumento mínimo de 500 metros, ou seja um investimento ainda maior.
Agora tenham em conta que a ampliação do aeroporto do Pico custou cerca de 25 milhões de euros, estou a falar de tudo, a ampliação da pista estava no inicio estimada em cerca de 6,5 milhões de euros, com exclusão do iva como vem na resolução Nº 92-A/2001 de 19 de Julho, e estamos a falar num aumento de cerca de 225 metros que foi considerado de 427, porque cerca de 300 metros da pista antiga foram primeiro arrancados para se regularizar o seu slope, e foi ainda aumentada a largura da pista em 15 metros em todo o seu comprimento.
À luz destes valores é inegável que será extremamente mais caro fazer uma pista com capacidade para receber voos charter das Américas na Horta em relação ao Pico, diferença que daria com certeza para pagar o táxi e a viagem de barco aos passageiros com destino ao Faial por muitos anos, o que não deixaria de ser injusto para os Picarotos que há muito utilizam o aeroporto da ilha vizinha para se deslocarem ao Continente Português.
Assim não vejo razão para que a se revelar de facto necessário uma pista com capacidade para voos das Américas no triângulo se opte pela opção mais cara por razões politicas, existindo uma solução muito mais barata com os mesmo resultados positivos para todo o triângulo, bastando apenas que se inverta a situação actual, passando os passageiros com destino ao Faial a voar pelo Pico nos voos que lhes convenham.

Nota: Já sei que este tópico foca um assunto sensível, portanto lembrem-se que não vou aceitar comentários anónimos ou abusivos. Obrigado.

16 junho 2006

Cenário do Pico para o FS2004

Um dia destes lembrei-me de tentar fazer um cenário para o flight simulator do aeroporto do Pico.
Andei a pesquisar pela net, fiz o download de alguns programas de construção de cenários e o resultado está aqui:

O cenário ainda tem alguns bugs, e tenho intenções de o melhorar um pouco mais, mas vão começar agora os exames, e só terei tempo para voltar a mexer nele nas férias, e como já dá para se voar para um Pico mais parecido com o real, resolvi disponibilizá-lo como está, até porque o feedback de mais utilizadores pode ser útil para o seu melhoramento.

Assim podem fazer o download em: http://clientes.netvisao.pt/medeirosr/Pico.rar

12 junho 2006

Mais voos para o Pico não!

Estive a ler as notícias da Rádio Pico online onde vem o seguinte:

"(...)Dos 250 mil passageiros transportados pela TAP de e para as ilhas em 2005, 135 mil viajaram na rota da Terceira, 65 mil nos voos do Faial, 45 mil na linha de Ponta delgada e, apenas, cinco mil para o Pico. Números que segundo o director de vendas da TAP, revelam uma estagnação do mercado açoriano, que acompanhou a tendência nacional.
Quanto às ligações aéreas entre Lisboa e o Pico, que recebe um voo directo de Lisboa por semana, o director de vendas da TAP afirmou que a procura de passageiros não justifica o investimento. (...)"

A noticia vem a propósito do anuncio do que já à muito tempo se sabia, o aumento do numero de voos para a Terceira e Horta, pela TAP, durante os meses de verão.

Acho interessante considerar-se no lote de aeroportos com movimento estagnado o Pico que no ano passado passou de zero para 5000 passageiros, com um único voo a meio da semana.
E também gostava de saber como é que querem mais movimento sem mais voos? É que se fizerem a conta, 5000 mil passageiros a chegar no ano passado, desde abril, num voou partilhado com a Terceira, não deixa muitos lugares vagos, que podem até ter estado ocupados com Terceirences, tal como mais de metade dos contentores de carga que são reservados para a Terceira!
Vai aqui uma enorme vontade de se fazer voos para o Pico que nem digo nada. Que venha o concurso publico com a obrigação de dois voos semanais, para vermos qual será a desculpa para não se realizarem mais, quando os voos continuarem cheios. Será que esses Homens e Mulheres que estão sempre preocupados com o tal mercado não vêm que o mercado não é o Pico mas o triângulo, o mesmo que o que justifica dois voos diários para a Horta? Custava muito alterar o destino de 1 ou 2 desses voos, para não abusar logo no começo? Mas claro que é mais fácil a malta do Pico continuar a atravessar o canal do que fazer uma mudança destas!
Espero que 2007 seja capaz de nos trazer melhorias neste capítulo.